As cenas deprimentes da noite de ontem, 12 de março de 2020, na Arena Grêmio, em Porto Alegre, deixarão o futebol gaúcho envergonhado por muito tempo. Grêmio e Internacional entram na história do primeiro Grenal,em 61 anos da Copa Libertadores, com o nome sujo, por um jogo sem gol e com oito expulsões, duas delas de jogadores que saíram do banco de reservas para aumentar ainda mais a confusão em campo. Vergonhoso!

A ORIGEM – Pepê, meia do Grêmio, e Moisés, lateral do Inter, iniciaram tudo aos 40 do segundo tempo, quando se ofenderam e trocaram empurrão. O meia Edenilson, do Inter, até então o mais técnico do jogo, pegou pelo pescoço o atacante Luciano, do Grêmio, e o quadro deplorável se instalou de vez. A bola parou de rolar, obrigando o árbitro a dar quinze minutos de acréscimo. Mais de 50 mil assistiam a tudo sem entender nada. Vergonhoso!

OS OITO – Entram na história triste do primeiro Grenal da Libertadores, Pepê, Luciano, Caio Henrique e o reserva Paulo Miranda, do Grêmio, e Moisés, Edenilson, Victor Cuesta e o reserva Praxedes, do Internacional, os expulsos. O árbitro Fernando Rapallíni, argentino de 41 anos, teve muita postura, mantendo-se à distância, observando tudo e só se aproximando dos infratores no momento certo de puni-los com o cartão vermelho.

OS TÉCNICOS – Foram vãs as tentativas de Renato Portaluppi, técnico gaúcho do Grêmio, e de Eduardo Coudet, técnico argentino do Internacional, que entraram para acalmar os ânimos. Os espíritos mais revoltados queriam mesmo era manter o clima hostil, com ofensas, empurrões, agressões e outras demonstrações de falta de educação. Os mais de 50 mil pagaram para ver futebol, não a exibição lamentável de vandalismo. Vergonhoso!

MUITO FRACO – Bem abaixo do que se poderia esperar, o Grenal teve nível técnico muito fraco, salvando-se raros nomes, como os dos goleiros Vanderlei, do anfitrião Grêmio, e Marcelo Lomba, com poucas, mas boas defesas. Dois colorados, Edenilson e Boschilia, acertaram a trave, e o gremista Lucas Silva, o travessão. Os 111 anos do clássico, disputado pela primeira vez em 1909, ficaram manchados pelas cenas deploráveis de indisciplina.

SEIS AMARELOS – Cinco dos seis cartões amarelos, todos bem aplicados pelo árbitro Fernando Rapallíni, no primeiro tempo: Marcos Guilherme, do Inter, por falta dura, sem bola, em Diego Souza, aos 25 minutos. David Braz, do Grêmio, aos 31, por falta em Guerrero. Uendel, do Inter, aos 34, por falta em Alisson. Musto, do Inter, aos 38, mão na bola, e Alisson, do Grêmio, aos 47, por falta em Tiago Galhardo. Lucas Silva, do Grêmio, foi o único advertido no segundo tempo, aos 57 minutos, por falta em Tiago Galhardo.

VERGONHA DO GRÊMIO – Os 15 gremistas que participaram do Grenal da vergonha: Vanderlei, Vitor Ferraz, Geromel, David Braz e Caio Henrique; Lucas Silva, Mateus Henrique e Maicon (Jean Pyerre, 7 do segundo tempo); Alisson (Pepê, 18 do segundo tempo), Diego Souza (Luciano, 34 do segundo tempo) e Everton, e mais Paulo Miranda, reserva que entrou em campo para ajudar a aumentar o clima de vandalismo

VERGONHA DO INTER – Os 15 colorados que participaram do Grenal da vergonha: Marcelo Lomba, Rodinei, Bruno Fuchs, Victor Cuesta e Uendel (Moisés, intervalo); Musto, Edenilson e Boschilia; Tiago Galhardo (D’Alessandro, 29 do segundo tempo), Guerrero (Lindoso, 52 do segundo tempo) e Marcos Guilherme, e mais Bruno Praxedes, reserva que entrou em campo para ajudar a aumentar o clima de vandalismo.

135 EMPATES – No Grenal 424, 0 x 0 foi o empate 135. A vantagem de 23 vitórias do Inter sobre o Grêmio – 156 a 133 – permanece, assim como a de 33 gols: o Inter marcou 585, e o Grêmio, 552. Arbitragem correta de Fernando Rapallíni, da Associação de Futebol da Argentina (AFA). O primeiro Grenal em 61 anos da Copa Libertadores registrou R$3.496.713,00. 49.971 pagantes, na Arena Grêmio.

SEM PÚBLICO – Outros dois jogos na noite de ontem (12). No estádio Juan Peron, em Avellaneda, com portões fechados, o Racing da Argentina manteve a liderança do Grupo F, ao vencer (1 x 0) o Alianza Lima, do Peru, com o gol do atacante argentino Nicolás Reniero, de 24 anos. No Gran Parque Central, em Montevidéu, o Nacional do Uruguai ganhou (1 x 0) do Estudiantes de Mérida (Venezuela), com o gol do meia uruguaio Felipe Carballo, de 23 anos, emprestado pelo Sevilha. O Nacional é vice-líder.

TODOS ADIADOS -A Confederação Sul-Americana de Futebol confirmou o adiamento dos jogos da próxima semana pela terceira rodada da fase de grupos da Libertadores, em que todos os times brasileiros estariam em campo, sem revelar para quando serão remarcados. Também sobre a remarcação das datas dos jogos das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, não houve qualquer informação: “Em breve anunciaremos” – resumiu a Conmebol.

Fotos: Gremistas, JR Regional e JB Filho Repórter