O Flamengo está de luto com a morte de Índio, décimo artilheiro da história vitoriosa do seu futebol, com 140 gols em 217 jogos, de 1949 a 1957. Ele foi o camisa 9 do primeiro tricampeonato no Maracanã, em 53-54-55, com 53 dos 228 gols das três campanhas e participou de 68 dos 84 jogos, sendo artilheiro do time em 1954 com 18 gols. Entre maio de 54 e abril de 57, na seleção, ganhou seis dos nove jogos e fez quatro gols. Jogou a Copa de 1954.

Uma das escalações do time de 1955: Em pé: Pavão, Chamorro, Jadir, Tomires, Dequinha e Jordan. Agachados: Joel, Paulinho, Índio, Dida e Zagallo.

24 JOGOS, 17 GOLS – Campeão em 1953 com 21 vitórias, 4 empates, 2 derrotas, 77 gols marcados e 27 sofridos, o Flamengo teve 17 gols de Índio em 24 jogos, menos um gol que Rubens (18) e menos cinco que o paraguaio Benitez, artilheiro do campeonato com 22 gols, ao participar, tanto quanto Dequinha e Jordan, dos 27 jogos. Time-base, no 2-3-5 da época: Garcia, Marinho e Pavão; Servílio, Dequinha e Jordan; Joel, Rubens, Índio, Benitez e Esquerdinha. 

26 JOGOS, 18 GOLS – Bicampeão em 1954 com 20 vitórias, 5 empates, 2 derrotas, 64 gols marcados e 25 sofridos, o Flamengo teve 18 gols de Índio, em 26 dos 27 jogos. Ele foi o artilheiro do time, com menos seis gols que Dino da Costa, do Botafogo, artilheiro do campeonato com 24. Time-base: Garcia, Tomires e Pavão; Jadir, Dequinha e Jordan; Joel, Rubens, Índio, Benitez e Zagalo (na época, escrito só com um L). 

18 JOGOS, 12 GOLS – No tricampeonato, em 1955, com 21 vitórias, 2 empates, 7 derrotas, 87 gols marcados e 41 sofridos, o Flamengo teve 12 gols de Índio, em 18 dos 30 jogos. Em 29 dos 30 jogos, Paulinho foi o artilheiro do campeonato com 23 gols. Time-base: Chamorro, Tomires e Pavão; Jadir, Dequinha e Jordan; Joel, Paulinho, Índio, Evaristo (17 jogos) – Dida (16) jogos – e Zagalo. 

BOM LEMBRAR – Depois do primeiro tricampeonato, em 42-43-44, o Flamengo ficou oito anos sem o título carioca, que só recuperou no segundo tri em 53-54-55. No primeiro, o técnico era Flávio Costa, vice-campeão do mundo em 1950, e no segundo, o paraguaio Fleitas Solich, que em 53 ganhou o Sul-Americano (hoje Copa América), ao vencer (3 x 2) o Brasil, no Estádio Nacional de Lima.

10 MAIORES ARTILHEIROS DO FLAMENGO

1 – ZICO – 509 gols, de 1971 a 1983, e 1985 a 1989.

2 – DIDA – 264 gols, gols entre 1954 e 1963. 

3 – HENRIQUE – 216 gols, de 1954 a 1963.

4 – PIRILO – 204 gols, entre 1941 e 1947.

5 – ROMÁRIO – 204 gols, de 95 a 96 e de 98 a 99.

6 – JARBAS – 154 gols, entre 1933 e 1946.

7 – LEÔNIDAS – 153 gols, de 1936 a 1941.

8 – BEBETO – 151 gols, entre 1984 e 1989, e 1996.

9 – ZIZINHO – 146 gols, de 1939 a 1950.

10 – ÍNDIO – 140 gols em 217 jogos, entre 1949 e 1957.

SELEÇÃO – Único jogo de Índio em Copa do Mundo foi no domingo, 27 de junho de 1954, no estádio Wankdorf, em Berna, capital da Suíça: Hungria 4 x 2 Brasil (eliminado). Seleção: Castilho, Djalma Santos e Pinheiro; Bauer, Brandãozinho e Nilton Santos; Julinho, Humberto, Índio, Didi e Maurinho. Técnico – Zezé Moreira. Julinho – gol mais bonito da Copa, escolhido pela equipe da FIFA – e Djalma Santos, de pênalti, fizeram os gols.

9 JOGOS, 4 GOLS – Entre 2 de maio de 54 e 21 de abril de 57, Índio disputou nove jogos pela seleção e ganhou seis, marcando quatro gols. O mais importante foi o do empate (1 x 1) com o Peru, em Lima, no jogo de ida das eliminatórias para a Copa do Mundo de 1958, a primeira das cinco que o Brasil ganhou. No jogo de volta, no Maracanã, Didi, de falta, fez 1 x 0, batizou o gol de folha-seca e a seleção se classificou.

HISTÓRIA – Índio nasceu Aloísio Francisco da Luz, em 1 de março de 1931, em Cabedelo, município mais rico do estado da Paraíba, em PIB – Produto Interno Bruto per capita -, a 18 km da capital João Pessoa. Antes do Flamengo, Índio jogou de 47 a 49 no Bangu, e depois do Flamengo, de 57 a 59 no Corinthians, com 52 gols em 101 jogos. De 60 a 64, no Espanyol, de Barcelona. Encerrou a carreira em 1965 no América.

Indio, ex-jogador de Flamengo, Corinthians e Espanyol. RCDEspanyol

ÍNDIO morreu ontem (19), na Baixada Fluminense, mas a família não informou a causa, assim como não revelou onde o corpo será velado e sepultado hoje (20). O ex-atacante morreu aos 89 anos, que havia completado dia 1 de março. 

Fotos: Coluna do Fla, Aquivo pessoal de Índio, Manchete Esportiva, Terceiro Tempo, Trivela e Besoccer