Escolha uma Página

COM INÍCIO FULMINANTE e dois gols em três minutos, a Inter venceu o Milan por 2 x 0, com o recorde de renda no estádio Giuseppe Meazza, na noite desta 4ª feira (10), e garantiu praticamente a vaga na grande final da Liga dos Campeões de 2022-2023, com Manchester City ou Real Madrid, sábado, 10 de junho, no Estádio Olímpico Ataturk, em Istambul, a maior cidade da Turquia. Com 75 mil torcedores, Milan 0 x 2 Inter registrou 10.461.705 euros (R$56.490 mil).

O ATACANTE EDIN DZEKO, natural da Bósnia, tornou-se o mais velho a fazer gol em semifinais da Liga dos Campeões, aos 37 anos e 54 dias, 50 dias mais novo que o galês Ryan Giggs, hoje aos 49 anos, recordista de 13 títulos de campeão inglês e de 963 jogos pelo Manchester United, único time de sua carreira, de 1990 a 2014. Nascido em 17/3/86, em Sarajevo, capital da Bósnia, Edin Dzeko é da Inter desde 2021, depois de cinco temporadas na Roma, com 99 gols em 192 jogos.

O MEIA MKHITARIAN, natural de Erevan, capital da Armênia, a menor das 15 repúblicas da extinta União Soviética, hoje Rússia, marcou o segundo gol aos 11 minutos. Enquanto Edin Dzeko abriu o placar com chute de primeira, de canhota, no ângulo esquerdo, após escanteio, Henrikh Mkhitarian, de 34 anos (21/1/89), recebeu cruzamento do zagueiro Bastoni, e ao entrar na área, chutou forte de pé direito, no alto, no meio do gol.

A INTERNAZIONALE quase fez 3 x 0 aos 15 minutos, quando o atacante turco Çalhanoglu acertou a trave esquerda. O Milan ficou sem o meia francês Ismael Bennacer, com dores no joelho direito, substituído aos 18 minutos pelo mineiro Messias Junior, de 31 anos, único brasileiro em campo, que nada acrescentou. Aos 32, o VAR corrigiu o árbitro, que errou ao marcar pênalti do zagueiro dinamarquês Simon Kjaer, do Milan, no atacante argentino Lautaro Martinez.

O MILAN ESBOÇOU reação na volta do intervalo e o muito que conseguiu foi a bola no pé da trave direita, aos 18 minutos, em chute do meia Sandro Tonali, também titular da seleção italiana. Bom destacar que os goleiros Mike Maignan, do Milan, e André Onana, ambos negros, franceses e de 27 anos, tiveram boa atuação, principalmente Maignan, mais exigido, sem culpa nos gols e tendo ainda evitado que o Milan fosse até goleado.

MILAN 0 x 2 INTER registrou 30 faltas, 14 do Milan, e três cartões amarelos. Os técnicos Simone Inzaghi, da Inter, e Stefano Pioli, cobertos de razão, fizeram restrição à atuação do árbitro espanhol Jesus Gil Manzano, que usou de dois pesos e duas medidas na marcação de faltas e na aplicação da lei da vantagem. Errou feio ao marcar pênalti de Kjaer em Lautaro Martinez, mas foi salvo por seu compatriota José Luis Munuera, monitor do árbitro de vídeo.

INTER – André Onana, Darmian, Acerbi e Bastoni; Dumfries, Barella, Çalhanoglu (Gagliardi), Mkhitarian (Brozovic) e Dimarco (Vrij); Lautaro Martinez (Joaquin Correa) e Edin Dzeko (Romelu Lukaku). O time do técnico Simone Inzaghi terá o mando de campo no segundo jogo, 3ª feira (16), com a vantagem de poder perder por um gol para ser finalista. A Inter só ganhou a Champions três vezes: bicampeã em 1963-64/1964-65, e em 2009-2010.

MILAN – Mike Maignan, Calabria (Kalulu), Tomori, Kjaer e Theo Hernandez; Krunic, Tonali e Bennacer (Messias Junior); Brahim Diaz (Pobega), Giroud e Saelemaekers (Origi). O técnico Stefano Pioli não contou com o português Rafael Leão, de 23 anos, artilheiro do time, que sofreu lesão muscular na coxa no jogo de sábado (6), com a Lazio. Segundo maior campeão com sete títulos, o Milan terá que vencer por três gols, ou por dois, para decidir nos pênaltis, na próxima 3ª (16). A última Liga dos Campeões que o Milan ganhou foi em 2006-07.

Foto: Getty Images e UOL