Escolha uma Página

O Mundial de clubes começou a ser disputado em 1960 e já teve o formato alterado várias vezes, sempre de acordo com os interesses comerciais, que passaram a se sobrepor à técnica. O atual sistema de disputa está em vigor desde 2005, quando o Mundial da FIFA foi reiniciado, após a única edição em 2000, em que o Corinthians venceu o Vasco nos pênaltis (4 x 3). Já houve decisões em jogos de ida e volta, em melhor de três e em jogo único.

RECORDISTA – O Real Madrid, recordista de títulos (13) da Liga dos Campeões da Europa, é também o maior vencedor (7) do Mundial de clubes: 1960, 1998, 2002, 2014 e o tri de 2016-17-18. O Milan foi campeão em 1969 e ficou vinte anos na fila para ganhar o segundo em 1989. Depois de 1990, mais dezessete anos de espera para ser campeão pela quarta vez em 2007. O Bayern foi campeão em 1976 e só depois de 25 anos comemorou o título em 2001. O terceiro, doze anos depois, em 2013.

CINCO E SEIS – Dos outros cinco que ganharam três títulos, só dois foram bi: a Inter de Milão em 64-65 e depois em 2010, e o São Paulo em 92-93 e depois em 2005. O Barcelona ganhou em 2009, 2011 e 2015; o Boca em 1977, 2000 e 2003, e o Peñarol em 1961, 1966 e 1982. Dos seis que ganharam dois títulos, só o Santos foi bi em 62-63. Ajax – 1972, 1995. Corinthians – 2000 e 2012. Juventus – 85 e 96. Manchester United – 99, 2008. Porto – 87, 2004.

INTERCONTINENTAL – Entre 1960 e 1979, no primeiro formato do Mundial de clubes, então denominado Copa Intercontinental, o campeão sul-americano e o campeão europeu disputavam em melhor de três, com um jogo em cada continente, e se preciso, o terceiro jogo para o desempate. Foi assim que o Real Madrid venceu o Peñarol, em 1960, e o Benfica perdeu em 61 para o Peñarol e em 62 para o Santos, bicampeão em 63 ao vencer o Milan, no desempate no Maracanã.

REPETECO – Só houve um repeteco, no bi da Inter de Milão, que ganhou as finais de 64 e 65 com o Independiente, até hoje o maior campeão da Libertadores com sete títulos. Entre 1960 e 1979, na Copa Intercontinental, primeiro formato do Mundial de clubes, depois do bi 62-63 do Santos, só mais um brasileiro foi à decisão e perdeu: o Cruzeiro, derrotado em 1976 pelo Bayern, que fez 2 x 0 na neve, em Munique, e o goleiro Sepp Maier segurou o 0 x 0 no Mineirão.

BICAMPEÕES – Em 1980 a decisão do Mundial de clubes passou a ser em jogo único, valendo a Copa Toyota. A primeira foi ganha pelo Nacional do Uruguai, com 1 x 0 no inglês Nottingham Forest. O Flamengo ganhou a segunda, com 3 x 0 no Liverpool, em 1981, e depois que o Peñarol venceu a terceira, com 2 x 0 no inglês Aston Vila, o Grêmio foi o campeão em 83, com 2 x 1 no alemão Hamburgo. O São Paulo foi bi, com 2 x 1 no Barcelona em 92, e 3 x 2 no Milan em 93. O Vasco perdeu a final de 98 para o Real Madrid (2 x 1).

MUNDIAL FIFA – Rio e São Paulo foram cenários do primeiro Mundial da FIFA, em 2000, com a final no Maracanã, onde o Corinthians venceu o Vasco (4 x 3), depois de 0 x 0 em 90 minutos. A falência da ISL, empresa suíça de marketing esportivo, parceira da FIFA, impediu as quatro edições seguintes, e o Mundial só recomeçou em 2005, com o São Paulo ganhando o terceiro título, ao vencer (1 x 0) o Liverpool. O Internacional foi o campeão de 2006, com 1 x 0 no Barcelona.

CORINTHIANS – O terceiro Mundial de clubes da FIFA, ganho pelo Brasil, foi o de 2012, em que o Corinthians venceu (1 x 0) o inglês Chelsea. Cinco anos depois o Brasil voltou à final, perdida (1 x 0) pelo Grêmio para o Real Madrid, que em 2018 se tornou o maior campeão do atual formato, com quatro títulos, ao golear (4 x 1) o Al Ain, dos Emirados Árabes. No ano seguinte, nova decepção brasileira com a derrota (1 x 0) do Flamengo para o Liverpool, na prorrogação.

COPA 2022 – O décimo sétimo Mundial de clubes promovido pela FIFA será decidido amanhã (11) entre o Bayern de Munique, campeão da Europa, e o Tigres do México, campeão da Concacaf (Confederação Centro-Americana e do Caribe), no estádio Cidade da Educação, em Doha, capital do Catar, primeiro país do Oriente Médio a sediar uma Copa do Mundo em 2022. Sete anos depois de vencer (2 x 0) o Raja Casablanca, do Marrocos, o Bayern tentará o segundo título no atual formato. O Tigres é finalista pela primeira vez.