Escolha uma Página

A vitória do Internacional ou do Flamengo, na noite deste domingo (25) na Arena Beira Rio, vale mais que a liderança isolada; vale ao vencedor a vantagem de cinco pontos sobre o Atlético Mineiro, que completou o terceiro jogo sem vitória, e pela primeira vez não fez gol, no 0 x 0 da noite de ontem (24) com o Sport, no Mineirão, no segundo empate, após perder os 100% de aproveitamento, em casa, no 1 x 1 com o Fluminense. Atlético x Sport foi o décimo terceiro 0 x 0 do Brasileiro 2020.

O INTERNACIONAL lidera, só pela vantagem no saldo de gols (15 a 11), porque está igual ao Flamengo em jogos (17), pontos (34), vitórias (10), empates (4) e derrotas (3). O Flamengo fez mais gols que o Internacional (30 a 28), mas o Internacional sofreu menos gols que o Flamengo (13 a 19). O Atlético Mineiro terminará a rodada, em terceiro, com 32 pontos em 17 jogos – 10 vitórias, 2 empates, 5 derrotas, saldo de 11 gols (31 a 20) -, e o jogo adiado com o Athletico Paranaense.

GRANDE MENTIRA – Desde que a bola é redonda, não são poucas as mentiras criadas no futebol, e a mais recente – a da posse de bola -, ficou de novo em evidência no 0 x 0 da noite de ontem (24), no Mineirão. O Atlético teve 77% de posse de bola, e o Sport, 23%. Foram 27 as finalizações do Atlético (13 no primeiro tempo), e o Sport, que não chutou sequer uma vez ao gol, no primeiro tempo, preocupado só em se defender, no segundo tempo só deu três chutes, dois em cobranças de falta.

OUTUBRO RUIM – O Atlético só teve uma grande atuação em outubro, na virada de 4 x 1 no Vasco, no Mineirão, perdendo em seguida do Fortaleza (2 x 1), e respirando de novo como mandante, com os 3 x 0 no lanterna Goiás. Aí começou a sequência de tropeços, ao perder os 100% em casa no 1 x 1 com o Fluminense; na derrota como visitante para o Bahia (3 x 1), e no primeiro jogo em que o ataque mais positivo não fez gol, o 0 x 0 da noite de ontem (24), no Mineirão

NOME DO JOGO – Luan Polli, catarinense de 27 anos, 1,87m, único a não sofrer gol do Atlético em 18 rodadas do Brasileiro de 2020, entrou no radar do Flamengo em 2011, pelas atuações na Taça Belo Horizonte, e em 2012, na Copa São Paulo. Tornou-se profissional em maio de 2012 no Figueirense, que o emprestou em setembro ao Flamengo. Ganhou o Torneio OPG, e em 2013, após ganhar a Taça Rio de juniores, foi integrado ao elenco de profissionais. Depois de sete jogos na reserva, estreou nos 2 x 2 com o Bangu na Taça Guanabara, ganha pelo Flamengo, e fez parte também do grupo campeão carioca de 2014.

O FLAMENGO não quis prorrogar o empréstimo e Luan Polli voltou ao Figueirense em julho. Com o empréstimo de Tiago Volpi, titular atual do São Paulo, surgiu a chance para se firmar, e o primeiro jogo como titular foi no 1 x 1 com o Fluminense, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, pelo Campeonato Brasileiro, sem que tenha tido culpa no gol de empate de Cicero. Luan Polli assinou o primeiro contrato com o Sport em julho de 2018 e diz que se sente bem, tanto no clube quanto na cidade.

SEM LOUCURA – Com o terceiro empate, depois de nove derrotas e seis vitórias, o Sport, com 21 pontos, só cairá do décimo primeiro lugar, se hoje (25) o Grêmio, com 21, não perder em Curitiba com o Athletico Paranaense, ou o Bahia, com 19 pontos, ganhar em Pituaçu do Fortaleza. O carioca Jair Ventura, de 41 anos, técnico do Sport, resumiu a retranca: “Não poderia ser louco de jogar aberto contra um time tão agressivo. Ganhamos um ponto”. Bom lembrar: o Sport vinha de quatro derrotas: 0 x 2 Bragantino, 3 x 5 Inter, 1 x 2 Botafogo e 0 x 3 Flamengo. A última vitória – 2 x 1 no Bahia – havia sido em 4 de outubro, em Pituaçu.

JOGO DA TARDE – Entrar no G4 – grupo dos que se classificam direto para a Libertadores – é o objetivo do Fluminense e do Santos, que se enfrentam no único jogo da tarde de hoje (25), no Maracanã. Sexto com 26 pontos, o Fluminense tem que vencer; quinto, com 27 pontos, o Santos só precisa do empate para tirar o São Paulo, com 27, do quarto lugar, e conta com reforço importante, a volta de Marinho, vice-artilheiro do campeonato, com 10 gols, menos quatro que Tiago Galhardo, do Internacional. 

Foto: TVE Brasil