Escolha uma Página

A JUVENTUS, de Turim, maior campeã italiana com 36 títulos, terá em 2024-25 o segundo técnico brasileiro de sua história de 126 anos (1/11/1897), 60 anos depois do carioca Paulo Amaral, de 1962 a 1964, após ganhar como preparador físico as duas primeiras Copas do Mundo da seleção brasileira, em 1958 e 1962.

DOIS DIAS APÓS ganhar a Coppa da Itália, com 1 x 0 na Atalanta, a Juventus demitiu Massimiliano Allegri, de 56 anos, seu técnico pentacampeão de 2014-15 a 2018-19), e anunciou o ex-volante paulista Thiago Motta, 41 anos, na Europa desde 2000, campeão no Barcelona, Inter e PSG, onde iniciou como técnico em 2018-19.

O TÉCNICO BRASILEIRO foi escolhido pela volta do Bologna à Liga dos Campeões em 2024-25, depois de 59 anos, ao ganhar em 1964-65 o mais recente de seus sete títulos de campeão italiano. Por coincidência, Bologna e Juventus decidem o 3º lugar na penúltima rodada, 2ª feira (20), no estádio Renato Dall’Ara, em Bologna.

O MINEIRO DANILO, lateral de 32 anos, entrou na história da Juventus como primeiro capitão estrangeiro a erguer uma taça, 4ª feira (15), na conquista da Coppa da Itália. Ele já disputou 452 jogos em times da Europa, desde 2019, depois de 141 no Porto; 56 no Real Madrid; 60 no Manchester City e 195 na Juventus.

OS TÉCNICOS BRASILEIROS mais recentes na Itália foram Sebastião Lazaroni, da Fiorentina, após a Copa do Mundo de 90, e o lateral Leonardo, da Copa de 94, que depois de anos como diretor do Milan, substituiu Carlo Ancelotti em 2009.

POUCOS SABEM, e talvez alguns se lembrem: o primeiro técnico negro da Série A italiana foi o atacante carioca Jarbas Faustinho, o Cané, vendido ao Napoli em 1960 pelo Olaria, onde vi iniciar a carreira em jogos no estádio da Rua Bariri.

Foto: Versus