O FLAMENGO É FAVORITO a assumir a liderança do Grupo H da Libertadores, que decidirá na noite desta terça (12), com o Talleres, da cidade argentina de Córdoba, no Maracanã. Expectativa de 40 mil torcedores. Na estreia, o Flamengo venceu o Sporting Cristal (2 x 0) e o Talleres venceu a Universidad Católica do Chile (1 x 0).

O FLAMENGO NÃO PERDE há 10 jogos na fase de grupos: 7 vitórias, 3 empates, saldo de 14 gols, com 25 marcados e 11 sofridos. A última derrota foi em setembro  de 2020, em Quito, para o Independiente del Valle, do Equador, por 5 x 0. Domenèc Torrent era o técnico, contratado por ter sido auxiliar de Guardiola no Barcelona.

FLAMENGO x TALLERES será um confronto de técnicos portugueses da mesma idade (51): Paulo Sousa, ex-meia, ainda tentando ajustar o Flamengo, e Pedro Miguel Faria Caixinha, ex-goleiro, primeiro português a dirigir um time da 1ª divisão argentina, que teve como melhor colocação o vice-campeonato de 1977. 

ENQUANTO O FLAMENGO estreou no Campeonato Brasileiro de 2022 empatando fora de casa com o Atlético Goianiense (1 x 1), o Talleres foi goleado no Campeonato Argentino pelo Defensa y Justicia (5 x 1). Entre os 28, o Talleres é penúltimo dos 14 do Grupo A, com atuações classificadas pelos críticos como decepcionantes.

TALLERES significa oficina, em espanhol. O clube foi fundado em 12 de outubro de 1913 pelo inglês Tomas Lawson, que trabalhava na oficina dos trilhos das ferrovias, e como jogador e primeiro presidente, quis que o uniforme fosse azul e branco, em listras verticais, igual ao do Blackburn Rovers, clube do seu coração na Inglaterra.

O TALLERES ficou anos na 2ª divisão e só conseguiu subir em 2016, com a vitória dramática sobre o Al Boys por 1 x 0, gol do volante Pablo Guiñazu, aos 50 minutos do 2º tempo. Guiñazu foi um dos argentinos bem-sucedidos no futebol brasileiro, bicampeão gaúcho no Inter (2008-09/2011-12) e bicampeão carioca no Vasco (2015-16). 

ESTÁDIO DO ARTILHEIRO – O Talleres mudou o nome de seu estádio para Mario Alberto Kempes, em outubro de 2010, para homenagear o artilheiro da 1ª Copa do Mundo que a Argentina ganhou em 1978. Formado na base do clube, que o trata como ídolo, Kempes, hoje aos 67 anos, não jogou como profissional no Talleres.

Foto: UOL