Foto: ATTA KENARE / tribunaexpresso.pt

O Kashima Antlers, do Japão, com o trabalho excepcional de Zico, gerente-geral do futebol do clube, que defendeu como maior ídolo e artilheiro, ganhou neste sábado (10) a Copa da Ásia, ao manter o 0 x 0 no jogo de volta com o Persépolis, do Irã, diante de 100 mil torcedores, lotação máxima do estádio Azadi, em Teerã, capital do décimo oitavo país mais populoso do mundo, com quase 90 milhões de habitantes. No jogo de ida, no Japão, o Kashima venceu (2 x 0) com atuação superior.

COM REAL MADRID – O Kashima Antlers jogara no Mundial de clubes, nos Emirados Árabes, em dezembro, com o Chivas Guadalajara, do México, campeão da Concacaf – Confederação Centro-americana do Caribe -, e o vencedor disputará a semifinal com o Real Madrid, campeão europeu. Bom lembrar que o Kashima foi o primeiro da Ásia a disputar a final do Mundial de clubes, em 2016, que perdeu (4 x 2) para o Real Madrid.

MAIOR CAMPEÃO – Com oito títulos, o Kashima Antlers, fundado em 1947, é o maior campeão japonês, que passou a ser dirigido pela J-League, em 1991, quando trocou o uniforme azul pelo vermelho e fez a reforma do estádio, que passou a ter 40 mil lugares. Antes, chamava-se Sumitomo Metals e disputava a segunda divisão amadora. Entre os primeiros jogadores que contratou, o meia Carlos Alberto Santos, do Botafogo, e o atacante Milton Cruz, do São Paulo.

Foto: site antlersbrasil.blogspot.com

ZICO, 800 GOLS – Maior ídolo da história do clube, Zico foi a grande atração da inauguração do Estádio Kashima, em 5/4/92, quando marcou o gol 800 de sua notável carreira de maior artilheiro da história do Maracanã, com 333 gols, ao fazer o segundo dos 2 x 0 sobre o Fluminense, convidado especial da festa. O atacante Alcindo Sartori, também ex-Flamengo, fez o outro gol, tornando-se também um dos destaques do Kashima.

TRÍPLICE COROA – Não só pelos gols e pelos exemplos de profissionalismo que passou aos mais novos, Zico tornou-se figura de altíssimo prestígio no Kashima. O clube ganhou a tríplice coroa, em 2000 – campeão japonês, da Liga japonesa e da Copa do Imperador -, com o técnico Cerezo, com quem formou, ao lado de Falcão e Sócrates o meio-campo da seleção na Copa de 82, e que indicou para comandar o time. 

ÚNICO TRI – Dos oito campeonatos japoneses ganhos pelo Kashima Antlers, o clube só conquistou um tri – 2007-08-09 -, dirigido por Oswaldo de Oliveira, também indicado por Zico, cujo conceito tornou-se ainda maior perante dirigentes e torcedores. Oito anos antes, o Kashima chegou a ficar perto do tri, após ser campeão em 2000 e repetir o feito em 2001, mas acabou perdendo a final de 2002. Zico foi homenageado com estátua em tamanho natural na entrada do estádio.

TRÊS BRASILEIROS – No elenco do Kashima, que neste sábado (10) ganhou a Copa da Ásia, há três brasileiros: o meia Serginho, 23 anos, paulista de Monte Aprazível; o volante Leonardo Silva, 32 anos, maranhense, no clube desde 2016, e o atacante Pedro Júnior, 31 anos, paraense de Santana do Araguaia, campeão gaúcho de 2006 pelo Grêmio, e na segunda temporada no Kashima, após ter atuado três anos em outro time japonês, o Víssel Kobe.

EX-JOGADORES – Além de Zico, Cerezo, Jorginho, Mozer, Leonardo, Mazinho e Bebeto, todos titulares da seleção brasileira, outros jogadores se destacaram no Kashima Antlers, entre eles Alcindo – chegou a fazer comerciais de peruca na televisão japonesa – e Bismarck, meio-campo que brilhou no Vasco.

OITO TÉCNICOS – O ex-atacante Edu, segundo maior artilheiro da história do América, foi dos primeiros a dirigir o  Kashima, em 1995, dando ao time um padrão de jogo excepcional. João Carlos Costa, de 96 a 98, ex-Fluminense, também foi muito bem-sucedido, assim como, na sequência, Zé Mario (98-99), Cerezo (2000 a 2005, voltando em 2013-15), Paulo Autuori (2016), Oswaldo de Oliveira (2007 a 2011) e Jorginho, ex-Vasco, em 2012. Zico foi técnico em 99, após a saída de Zé Mário, meio-campo que brilhou nos quatro grandes do Rio.

ADVERSÁRIO – O Persépolis FC, também tratado como Piroozi – que significa Vitória em árabe -, atual bicampeão, é o maior ganhador de títulos (11 vezes campeão) da República Islâmica do Irã, na Ásia Ocidental, segundo maior país do Oriente Médio e uma das civilizações mais antigas do mundo. A capital Teerã, cidade moderna em meio à antiguidade, tem as mais avançadas fábricas de automóveis e eletrônicos, além de produzir os famosos tapetes orientais, os mais vendidos do mundo.

GRANDE HISTÓRIA – Além de contar com vários dos melhores jogadores do continente asiático, o Persépolis FC tem um técnico de grande história: Ali Guhri Daei, 49 anos, que se destacou como atacante no Bayern Munique e foi capitão três anos do Hertha Berlim. Maior artilheiro da seleção do Irã em todos os tempos – 109 gols em 149 jogos -, disputou as Copas do Mundo de 98 e 2006. Dirige o Persépolis desde 2013 e é tratado pelo apelido de Shahriar, rei, em árabe.