Quatro dias depois de perder por 4 x 2 fora de casa para o Bragantino, o líder São Paulo sofreu a primeira derrota no Morumbi, neste domingo (10), por 1 x 0 para o Santos, que iniciou o jogo, sob chuva, céu escuro e luz artificial às 4 da tarde, com apenas um titular, o atacante Lucas Braga, preservando os demais para a decisão da vaga na final da Libertadores, em que precisa ganhar quarta (13) do Boca, na Vila Belmiro, após o 0 x 0 do jogo de ida em Buenos Aires.

GOL DE BICO – Com a segunda derrota consecutiva, a vantagem do São Paulo sobre o vice-líder Internacional, que venceu (1 x 0) o Goiás, ficou reduzida a três pontos (56 a 53). O gol que decidiu o clássico San-São, imitação horrorosa do Fla-Flu, foi marcado de bico, no primeiro minuto do segundo tempo, pelo meia Jobson, paulistano de 25 anos, que fez seu quarto gol em catorze jogos na temporada. O São Paulo tentou a virada, mas não teve espaço, apesar de mais volume de jogo, para sequer empatar.

PSICOLÓGICO – O técnico Cuca trabalhou bem a cabeça dos jogadores do Santos e conseguiu que o time, mesmo desfigurado, voltasse a vencer depois de quatro jogos – 2 x 2 com Palmeiras, 1 x 4 com Flamengo, 0 x 1 com Vasco e 1 x 1 com Ceará -, com atuação segura e em que poderia até ter feito mais gols. No decorrer do segundo tempo, para melhorar ainda mais o rendimento, o treinador colocou cinco titulares: Pará, Alisson, Diego Pituca, Luan Peres e Kaio Jorge.

TENSÃO – Com a queda de rendimento, a discussão com o meia Tchê Tchê e as duas derrotas consecutivas, aumentou a tensão do técnico Fernando Diniz. Desde que perdeu (1 x 0) na Arena Corinthians, onde o São Paulo não consegue vencer, o time entrou em declínio, mas a derrota para o Santos, depois de sofrer quatro gols do Bragantino, foi péssima, do ponto de vista psicológico, porque a vantagem caiu para três pontos, com aumento da pressão do Internacional e do Atlético Mineiro.

SÃO PAULO – Tiago Volpi, Juanfran, Leo (Vitor Bueno), Arboleda e Reinaldo; Luan (Paulinho Bóia), Daniel Alves, Gabriel Sara (Hernanes) e Igor Gomes (Trellez); Pablo (Gonzalo Carneiro) e Brenner. O líder São Paulo tem 56 pontos em 29 jogos – 16 vitórias, 8 empates, 5 derrotas, saldo de 22 gols (49 a 27) – e o próximo jogo será como visitante, domingo (17), com o Athletico Paranaense, na Arena da Baixada, em Curitiba. Dia 20, no Morumbi, o São Paulo receberá o Internacional.

SANTOS – João Paulo, Madson, Laercio, Alex e Jean Mota (Luan Peres); Sandry, Jobson (Alisson) e Balieiro (Diego Pituca); Bruninho (Kaio Jorge), Lucas Braga e Arthur Gomes (Pará). O Santos é oitavo com 42 pontos em 28 jogos – 11 vitórias, 9 empates, 8 derrotas, saldo de quatro gols (39 a 35) – e o próximo jogo do Campeonato Brasileiro será domingo (17), com o Botafogo, no estádio Nilton Santos.

SEIS CARTÕES – São Paulo 0 x 1 Santos foi bem conduzido pelo árbitro Braulio Machado, da Federação Catarinense e da FIFA, que contou com o jogo limpo das quipes. Os seis cartões amarelos que aplicou, em Hernanes e Pablo, do São Paulo, e Alex, Alisson e Balieiro, por faltas normais, e o do goleiro João Paulo, por retardar o reinício do jogo.

Foto: Marcos Ribolli