Na véspera de sua estreia como técnico do Botafogo, amanhã (24), com o Confiança, na Arena Baenão, em Aracaju, o mineiro Enderson Moreira, de 49 anos, tem rejeição de 72% dos 2.815 torcedores que votaram na pesquisa do FogãoNet do Instagram, em que 28% se disseram favoráveis ao seu nome. Vanderlei Luxemburgo era o preferido, seguido de Dorival Junior, mas Luxemburgo fez exigência de premiação muito elevada e o clube desistiu da sua contratação.

MISSÃO DIFÍCIL – Sem clube desde abril, quando foi demitido do Fortaleza pela eliminação na Copa do Brasil, Enderson Moreira assume a equipe do Botafogo em momento técnico e financeiro muito complicado. O clube não teve outra alternativa, embora pensasse em efetivar Ricardo Resende, sem peso no conceito dos torcedores, por ainda dirigir o sub-20, de vez que Enderson Moreira também se encaixou nos valores que o clube pode pagar.

BOM RESPALDO – O técnico que dirige o time amanhã (24), pela primeira vez, tem bom respaldo pelos dois títulos de campeão da Série , em 2012 no Goiás e em 2017 no América Mineiro, embora em clubes com mais porte tenha sido demitido em seis meses ou até menos, como no Fluminense, Grêmio e Santos. No Ceará, onde substituiu Lisca em 2019, foi contratado em abril e demitido em outubro, após oito jogos sem vencer.

A HERANÇA – O baiano Marcelo Chamusca, de 54 anos, deixou o Botafogo em décimo lugar com 13 pontos em 10 jogos – 3 vitórias, 4 empates, 3 derrotas, saldo de 1 gol (15 a 14) -, sem perder nenhum jogo no estádio Nilton Santos, mas também sem vencer em seis jogos como visitante: 1 x 1 com Avaí e com Vila Nova, e 2 x 2 com Londrina, e as derrotas para Náutico (3 x 1), Sampaio Corrêa (2 x 0) e CRB (2 x 1, de virada), que o levou à demissão.

INTERVALO – Entre a demissão de Marcelo Chamusca e a contratação de Enderson Moreira, em intervalo de nove dias, o Botafogo foi dirigido pelo técnico da equipe sub-20 Ricardo Resende, que só ganhou o ponto do empate (3 x 3) com o Cruzeiro; levou a virada (2 x 1) do Brusque, em Santa Catarina, e sofreu a primeira derrota no estádio Nilton Santos para o Goiás por 2 x 0, o que apressou o clube na decisão sobre a contratação de novo técnico.

DÉCIMO QUARTO – O Botafogo caiu quatro posições após a demissão de Marcelo Chamusca, ao ganhar só 1 ponto dos 9 pontos disputados pelo interino Ricardo Resende. Amanhã (24), em Aracaju, o time entra como décimo quarto com 13 pontos em 12 jogos – 3 vitórias, 4 empates, 5 derrotas, saldo negativo de 2 gols (16 a 18) -, faltando o jogo adiado da sexta rodada com o CSA, reprogramado para a próxima terça (27), no estádio Nilton Santos.

SETE JOGOS – O novo técnico terá quatro jogos em casa – CSA, Vasco, Ponte Preta e Brasil de Pelotas – e três fora – Confiança, Operário e Guarani – para tentar ganhar 21 pontos e tirar o Botafogo das proximidades da área crítica do rebaixamento. Se vencer o Confiança, o Botafogo somará 16 pontos e não pode subir mais de duas posições, se CSA (15) e Remo (16) perderem. Mas, se perder do Confiança, o Botafogo pode ser o primeiro do rebaixamento, se Cruzeiro e Brasil (11) e Vitória (12) vencerem.

Foto: Lance!