Enquanto Fluminense e Botafogo ainda tentam se livrar do rebaixamento, São Paulo terá mais um no Brasileirão 2020. Classificado com cinco rodadas de antecedência, o Bragantino sagrou-se campeão da Série B de 2019, faltando ainda duas rodadas, ao empatar (1 x 1) com o Criciúma, na noite de ontem (15), no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, a 88 km da capital do estado.

30 ANOS DEPOIS – Clube Atlético Bragantino vai completar 92 anos dia 8 de janeiro e está comemorando o segundo título da Série B, trinta anos depois da conquista de 1989, dirigido pelo técnico Vanderlei Luxemburgo, que no ano seguinte o levou ao inédito título de campeão paulista de 1990, derrotando o Novorizontino, na que foi chamada de final caipira.

VICE BRASILEIRO – O Bragantino fez grande campanha no terceiro ano consecutivo da melhor fase de sua história, mas não conseguiu o título de campeão brasileiro de 1991, perdendo a decisão para o São Paulo (1 x 0, gol de Mario Tilico). Foi a final de dois dos grandes técnicos da época: Telê Santana, no São Paulo, e Carlos Alberto Parreira.

BOM LEMBRAR – Então sob a presidência de Nabi Abi Chedid – 1932 – 2006 -, advogado e político de muitos mandatos de deputado estadual, o Bragantino foi o primeiro do interior paulista a disputar a Copa Conmebol – hoje Copa Sul-Americana -, em 1992, feito que repetiu em 1993 e 1996. Preto e branco são as cores do clube.

72 PONTOS – Faltando duas rodadas, o Bragantino tem 72 pontos, mais cinco vitórias (21 a 16) que o vice-lider Sport, com 68 pontos, e o ataque mais positivo (62 gols em 36 jogos, média de 1.72 por jogo). O Atlético Goianiense, de Eduardo Barroca, ex-técnico do Botafogo, venceu (1 x 0) o Paraná e é terceiro com 60 pontos. O América Mineiro, que ganhou (2 x 1) do Vitória, é quarto com 58 pontos. Sobem os quatro primeiros. Devem ser rebaixados Londrina, Criciúma, Vila Nova e São Bento.

O TÉCNICO – Antônio Carlos Zago, 50 anos, paulista de Presidente Prudente, é o técnico do Bragantino. Foi zagueiro campeão paulista e brasileiro, com Telê Santana, em 91 no São Paulo; bicampeão paulista e brasileiro em 93-94, dirigido no Palmeiras por Vanderlei Luxemburgo, com quem ganhou também a Copa América de 1999, e campeão italiano em 2001 na Roma e turco em 2003 no Besiktas.

O BRAGANTINO é presidido por Marco Antonio Chedid, de 61 anos, que em 2009 mudou o nome do estádio de Marcelo Stéfani para Nabib Abi Chedid, em homenagem ao pai, que morreu três anos antes, vítima de câncer no pulmão. Marquinho, como é tratado em Bragança Paulista, planeja ampliar a capacidade atual de 18 mil lugares. O Bragantino é o quinto do futebol paulista no Brasileirão 2020.