O FLAMENGO SÓ TEM HOJE E AMANHÃ PARA RESPIRAR. A maratona de 9 jogos em 25 dias, iniciada no 2 x 2 de ontem (2) com o Athletico Paranaense, continua sexta (5) no Maracanã com o Atlético Goianiense, prossegue segunda (8) na Arená Condá com a Chapecoense; dia 11 com o Bahia no Maracanã; dia 14 com o São Paulo no Morumbi; dia 17 com o Corinthians no Maracanã; dia 20 com o Internacional em Porto Alegre; dia 24 com o Sport no Recife, e dia 27 com o Palmeiras no Uruguai. Uma sequência só para quem tem fôlego de sete gatos.

O TÉCNICO RENATO NÃO CONTEVE O DESABAFO: “É jogo de três em três dias, sem tempo para o jogador ter o mínimo de descanso, sem tempo para recuperar jogador contundido, é jogador suspenso, é uma sequência apertada de jogos nos últimos três meses. Ninguém pensa nem liga para esses problemas. Ninguém quer saber do desgaste do jogador, se o jogador está estourado. Só querem cobrar, exigir resultado, exigir vitória jogo a jogo”.

RENATO DISSE ESTAR CANSADO DE OUVIR tanta cobrança, tanta crítica sem fundamento, tanta coisa repetitiva: “Não há quem resista uma situação assim. O profissional do futebol sabe que tem metas a cumprir, é responsável, trabalha sério, sempre disposto, buscando a criatividade para oferecer o melhor. É uma carga muito pesada, que só quem está envolvido sabe avaliar. Fui jogador e defendendo os jogadores que dirijo porque sei dos problemas que passam”.

O RETROSPECTO DE RENATO É POSITIVO, desde a estreia em 14 de julho, quando o Flamengo venceu o Defensa y Justicia por 1 x 0, gol de Michael, na fase de grupos da Libertadores, que vai decidir dia 27 com o Palmeiras. Renato completou 30 jogos, com 20 vitórias, 6 empates, 4 derrotas e o saldo altamente positivo de 50 gols (70 a 25). Entre os resultados expressivos, a goleada de 5 x 0 no Bahia, em Salvador, em seu jogo de estreia no Brasileiro, e a virada de 5 x 1 no São Paulo, no Maracanã. 

A LIDERANÇA DE GRUPO É OUTRO PONTO POSITIVO DE RENATO, que aplica tanto com o que aprendeu como jogador campeão no próprio Flamengo e no Grêmio, onde se tornou o primeiro brasileiro a entrar no grupo seleto dos campeões da Libertadores como jogador e técnico. Os jogadores ressaltam sempre a forma segura e objetiva como ele passa as orientações e reconhecem nele um técnico agregador, franco e sem rodeios.

Foto: Lance!