A dez dias de completar 34 anos, Messi marcou na noite de ontem (14), no estádio Nilton Santos, seu gol 57 de falta, em mais uma belíssima cobrança. Ele está a quatro gols de igualar Maradona, homenageado antes do jogo pela Confederação Sul-Americana de Futebol. A Argentina manteve o tabu de jamais ter perdido para o Chile desde a primeira Copa América, em 1916, quando era Campeonato Sul-Americano. Eduardo Vargas, de cabeça, fez o gol do Chile.

PRIMOROSA – Com a braçadeira de capitão, entregue pelo técnico Lionel Scaloni, de 43 anos, que completou 14 jogos sem derrota, o canceriano Lionel Messi, que fará 34 anos dia 24, acertou o ângulo direito, em cobrança de falta com efeito, encobrindo a barreira de quatro, que saltou sem conseguir chegar na bola. O goleiro Claudio Bravo, de 38 anos, 1,84m, seu ex- companheiro no Barcelona, e desde 2020 no Betis de Sevilha, tentou a defesa, mas sequer tocou na bola. 

FALTAM QUATRO – Messi chegou ao gol 73 em 145 jogos pela seleção. Em cobrança de falta, ele fez 7 gols pela seleção e 50 pelo Barcelona, o que representa 7,6% dos 745 gols de sua notável carreira em que ganhou seis vezes a Bola de Ouro de melhor do mundo. Por sua vez, Maradona marcou 61 gols de falta, desde os 20 do início da carreira no Argentinos Juniors, o equivalente a 17% dos seus 353 gols. Foi campeão do mundo em 86, mas não ganhou a Copa América.

CRISTIANO RONALDO, destaque de Portugal, que estreia hoje (15) na Eurocopa com a Hungria, na Arena Puskas, em Budapeste, foi ultrapassado em gols de falta por Messi (66 a 65), que lamentou o terceiro empate consecutivo da Argentina em estreias na Copa América. Sexta (18), no estádio Mané Garrincha, em Brasília, Messi reencontra Luis Suarez, antigo companheiro de ataque no Barcelona, em Uruguai x Argentina, famoso clássico do Rio da Prata.

RECORDE DO MESTRE – Autor do gol de empate do Chile, completando de cabeça o rebote do goleiro Emiliano Martinez, que defendeu o pênalti do meia Arturo Vidal, o atacante Eduardo Vargas, com 14 gols, quer pelo menos empatar com o compatriota Norberto Mendez, goleador argentino dos anos 40, e com o meia Zizinho, campeão sul-americano de 1949 e craque da Copa do Mundo de 1950, o notável mestre Ziza, maiores artilheiros da Copa América com 17 gols.

4 JOGOS, 10 GOLS – A vitória do Brasil sobre a Venezuela por 3 x 0 foi a mais expressiva. Depois, Paraguai 3 x 1 Bolívia, Colômbia 1 x 0 Equador e Argentina 1 x 1 Chile (único empate), totalizando 10 gols nos 4 primeiros jogos. O Brasil fará o segundo jogo, quinta (17), no estádio Nilton Santos, com o Peru, em reedição da final da Copa América de 7 de julho de 2019, que o Brasil venceu (3 x 1), no único jogo em que sofreu gol, de pênalti, convertido por Paolo Guerrero.

41 CASOS DE COVID-19 – O Ministério da Saúde informou que até ontem (14) foram registrados, em dois dias da Copa América, 41 casos de Covid-19, em 31 jogadores e integrantes de comissões técnicas, além de 10 servidores contratados para prestação de serviço. Venezuela é a seleção com mais infectados, seguindo-se as da Bolívia, Peru e Colômbia, após 2.927 testes de Proteína C-recreativa, também conhecida por PCR, proteína produzida pelo fígado, que, geralmente, está aumentada quando há algum processo inflamatório ou infeccioso.

Foto: REUTERS/Ricardo Moraes