Superado na artilharia das eliminatórias sul-americanas, em dois gols (24 a 22), por Luis Suarez, seu ex-parceiro no Barcelona, Messi disse ser mais importante ter ganho os dois primeiros jogos, e voltado a vencer na altitude de 3.640 metros de La Paz, o que a Argentina não conseguia desde os 2 x 1 de 23 de março de 2005, no estádio Hernando Siles. A Bolívia fez 1 x 0, gol de Marcelo Moreno, Lautaro Martinez empatou, e Joaquin Correa marcou o gol da virada no segundo tempo.

TRÊS VITÓRIAS – Foi apenas a terceira vitória em sete jogos da Argentina na Bolívia, porque a de março de 2005 havia sido a segunda depois de 32 anos. O trauma da altitude aumentou em abril de 2009, quando a seleção, então treinada por Maradona, e com Messi em campo, foi goleada (6 a 1), com requinte de deboche. A Argentina não sofria derrota tão humilhante desde 1958, quando perdeu (6 x 1) para a Tchecoslováquia, na Copa do Mundo da Suécia, considerado o vexame dos vexames.

SEM ALEGRIA – Mesmo com os dois gols de pênaltis, aos 38 e aos 48 do segundo tempo, quando o Equador já vencia por 4 x 0, o atacante Luis Suarez, artilheiro das eliminatórias 2020, junto com Neymar, com três gols, disse estar sem alegria: “Meus gols só serviram para evitar que não fôssemos goleados. O Equador é terceiro, depois de perder (1 x 0) na estreia para a Argentina, e o Uruguai caiu para o quarto lugar, última vaga para a Copa de 2022.

DRAMÁTICO – No Estádio Nacional de Santiago, o Chile sofreu o gol do meia Jefferson Lerma, porém conseguiu a virada ainda no primeiro tempo, com os gols do meia Arturo Vidal e do atacante Alexis Sanchez. A vitória chilena parecia certa, mas, nos acréscimos, o atacante Falcao Garcia, há dois anos sem marcar, conseguiu fazer o gol de empate. Bom dizer: o sobrenome Falcaofoi homenagem de seu pai ao volante Paulo Roberto Falcão, da seleção na Copa de 82.

SEM SURPRESA – Única seleção sul-americana que jamais esteve em Copa do Mundo, a Venezuela sofreu na noite de ontem (13), no Estádio Metropolitano, da cidade de Mérida, a segunda derrota em dois jogos, e perdeu a chance de empatar nos acréscimos, quando o meia Yangel Herrera, de 22 anos, que joga no espanhol Granada, emprestado pelo inglês Manchester City, bateu mal o pênalti e o goleiro Antony Silva, de 36 anos, defendeu. O gol que levou o Paraguai ao quarto lugar foi do meia Enzo Gimenez, aos 40 do segundo tempo.

Foto: Esporte Interativo