Ao se tornar o primeiro jogador da história a ganhar o Prêmio Laureus, que não pôde receber na noite de ontem (17), em Berlim, por estar no Oriente Médio, em compromisso publicitário pré-agendado, Messi – capitão do Barcelona e da Argentina – voltou a valorizar o futebol como nome mais expressivo da atualidade. Seis  vezes melhor do mundo, ele ganhou junto com Lewis Hamilton, seis vezes campeão mundial da Fórmula 1, o que levou os jurados a dividir o prêmio pela primeira vez.

SEMPRE PELÉ – Foi a vigésima premiação consecutiva do Laureus, criado em 1999 e concedido todos os anos às figuras que mais se destacaram no esporte no ano anterior. A lista de nomes é selecionada por jornalistas esportivos de vários países, que escolhem os finalistas em fevereiro. Pelé foi o primeiro brasileiro a receber o Prêmio Laureus, em 2000, pelo brilho invulgar de sua carreira de melhor de todos os tempos e único Atleta do Século do futebol.

MAIS QUATRO – Além de Pelé, só mais quatro brasileiros ganharam o prêmio: o carioca Ronaldo Fenômeno, campeão e artilheiro da Copa do Mundo de 2002, como retorno do ano,em 2003, após delicadas cirurgias no joelho. Ronaldo foi considerado exemplo de dedicação e mereceu o reconhecimento, antes mesmo de concluir uma carreira brilhante, com 414 gols em 616 jogos, eleito três vezes melhor do mundo.

OUTRO CARIOCA – Maior vencedor da história do X Games com 30 medalhas, o Skateboarding Bob Burnquist, carioca de 43 anos, ganhou o Prêmio Laureus de 2002 por ser o Atleta de Ação do Ano. Ele apresentou defesa bem fundamentada para a utilização da maconha, com fins medicinais, para a recuperação dos atletas. Presidente da Confederação Brasileira de Skate, Burnquist vibrou com a inclusão da modalidade nos Jogos Olímpicos de 2020.

ÚNICO PARATLETA – Maior nadador paralímpico do mundo, Daniel Dias, de 31 anos, paulista de Campinas, único a ganhar 24 medalhas, conquistou o Prêmio Laureus em 2009, 2013 e 2016. Daniel nasceu com má formação congênita dos membros superiores e da perna direita. Foi o melhor brasileiro nos Jogos 2008, em Pequim: 8 de ouro, 4 de prata, 1 de bronze, bateu cinco recordes mundiais, com 8 de ouro e 7 em provas individuais, no Mundial de 2010 na Holanda.

FITTIPALDI – O paulistano Emerson Fittipaldi, de 73 anos, primeiro e mais jovem brasileiro campeão da Fórmula 1, em 1972, e único brasileiro e um dos raros do mundo a ganhar a corrida de estreia, é hoje o único brasileiro entre os 64 membros da Fundação Laureus de Esporte. Antes dele, só Pelé, sempre o primeiro, havia ocupado o cargo. Laureus tem o apoio da Mercedes Benz, maior produtora mundial de automóveis, que desde a fundação em 1871, criou o slogan que resume sua qualidade: The Best or Nothing (O Melhor ou Nada).

RECORDISTA – O tenista Roger Federer, suíço de 38 anos, participante de 103 torneios da ATP, vencedor de 20 Grand Slam e recordista de 310 semanas, na liderança como número 1 do mundo, é o que mais ganhou o Prêmio Laureus: 2005-06-07-08 e em 2018. Depois de Federer, Usain Bolt, jamaicano de 33 anos, com a mais intensa e vitoriosa carreira dos 100m, desde 2009, quando estabeleceu o incrível recorde mundial de 9s58. Bolt ganhou o Laureus em 2009, 2010, 2013 e 2017.

CASO À PARTE – Fora as modalidades mais populares, o golfe foi o primeiro esporte de elite a ganhar o Laureus, entregue em 2000 e 2001 a Tiger Woods, de 44 anos, americano do estado da Califórnia. Um dos maiores profissionais de golfe de todos os tempos, ele se tornou em 2009 o primeiro golfista a ganhar mais de um bilhão de dólares, com prêmios e patrocínios. No Brasil, um dos golfistas mais bem-sucedidos é o ex-jogador Tita, do Flamengo, campeão da Libertadores e do Mundial de clubes de 1981.

Foto: Portal de Notícias