Escolha uma Página

Acostumado a jogar no ataque, Messi recuou e decidiu cumprir o contrato com o Barcelona até 2021, não sem antes acusar o presidente do clube de não ter honrado a palavra para sua saída: “Bem antes da mágoa que jamais posso esquecer pelos 8 x 2, falei com o presidente que queria sair para abrir espaço aos mais novos, sentindo a chegada do fim do meu ciclo no clube” – disse o craque, logo acrescentando: “O presidente disse que eu poderia sair quando quisesse, mas não honrou a palavra”.

15 IDIOMAS – Só dois dias após o encontro de seu pai, Jorge Horacio Messi, de 62 anos, com Josep Maria Bartomeu, de 57 anos, presidente do Barcelona, foi que o craque decidiu falar, em entrevista digital nesta primeira sexta (4) de setembro, pedindo que a entrevista fosse traduzida em 15 idiomas: “Faço questão que minha mensagem seja espalhada pelos quatro cantos do mundo, a fim de que todos saibam que minha decisão foi tomada com base na palavra do presidente, que, infelizmente, não cumpriu”.

FRANQUEZA – De bermuda e de chinelo, bem à vontade no verão de Barcelona, Messi entrou no estúdio do site Goal e ficou quase uma hora respondendo às perguntas, com tranquilidade e a voz pausada habitual. Deixou claro desde logo: “Sim, vou continuar porque o presidente bateu pé nos 700 milhões para minha saída, algo impossível a qualquer clube, principalmente pela imposição do fair play financeiro. Tenho minha vida no Barcelona e vou voltar a jogar com toda vontade e sem mágoa”.

SEM JUSTIÇA – Messi fez o primeiro jogo com a camisa do Barcelona em 16 de outubro de 2004, aos 17 anos e 4 meses, com o Espanyol, no clássico da Catalunha, tornando-se o mais jovem da história do campeonato. Incluída a fase de formação nos times C e B, porque passam todos os jogadores da base, Messi tem praticamente 20 anos no clube, e destacou: “Pensei em sair e queria sair, sim, mas nunca seria capaz de levar à justiça o clube da minha vida, que me recebeu e me ofereceu sempre o melhor”.

DURA CRÍTICA – O craque ressaltou, em tom duro na crítica: “Queria sair porque não vejo projeto capaz de melhorar o clube. O Barcelona não pode passar uma temporada sem título como a que acabamos de terminar. O presidente não tem projeto para tornar o clube melhor e o futebol do Barcelona mais forte. Fui criado no Barcelona com grandes nomes e muitos títulos, não como está na situação atual. Odeio perder, só penso em vitória, em título, em ver o torcedor alegre e feliz”.

FEDERAÇÃO – Messi também não eximiu a Real Federação Espanhola de Futebol de parcialidade no caso: “A Federação apoiou o Barcelona e decidiu que só autorizaria minha saída com o pagamento da multa. As competições foram prorrogadas por causa da pandemia, mas a Federação argumentou que meu comunicado ao clube teria que ter sido feito em maio e não depois que as competições terminaram em agosto. Foi mais um golpe que o presidente do clube conseguiu contra mim”.

SUGESTÃO – Messi é o mais famoso cliente mundial da Quatrecasas, com 28 escritórios em 13 países da Europa, Américas, Ásia e África, e mais de mil advogados especializados em todas as áreas do direito. O craque ouviu a sugestão do escritório de Barcelona de cumprir o contrato até junho de 2021, quando sairá sem ter que pagar nada ao clube. Com a renovação do contrato de Guardiola com o Manchester City, há quase certeza de que seu final de carreira será no Noroeste da Inglaterra.

RECOMEÇO – Messi recomeça neste primeiro fim de semana de setembro o trabalho no clube, com exames médicos e testes de avaliação fisica, que os demais jogadores já realizaram. Em seguida, inicia em campo a preparação para voltar no amistoso do próximo sábado (12) com o Nàstic, da segunda divisão B, do município de Tarragona, a 100 km de Barcelona. No sábado seguinte (19) começa o Campeonato Espanhol e Messi estará em campo no jogo com o Villarreal, que hoje (5) faz amistoso em seu estádio La Cerâmica com o Levante, segundo melhor time de Valencia.

OTIMISMO – A permanência de Messi na temporada 2020-2021 aumentou muito o otimismo de Ronald Koeman, novo técnico do Barcelona, que confia na volta do sucesso do time. Zagueiro recordista mundial de gols, com 250 em 759 jogos, Koeman, hoje aos 57 anos, foi tetracampeão espanhol de 90-91 a 93-94, com 87 gols em 264 jogos, entre 1989 e 1995, e está de volta ao Barcelona como técnico, após ser campeão como treinador do Ajax e do PSV, da Holanda, onde nasceu, e do Benfica.