Escolha uma Página

Robert Lewandowski, do Bayern de Munique, principal artilheiro da década na Alemanha, fez hoje (21), em parceria com a esposa Anna, modelo profissional de grandes marcas da moda, a doação de um milhão de euros – R$ 5,4 mi, a mais alta da Europa, no combate à epidemia do coronavírus. O atacante polonês de 31 anos joga na Alemanha desde 2010, comprado pelo Borussia Dortmund, que o vendeu pelo dobro ao Bayern em 2014.

COINCIDÊNCIA – Além de Lewandowski, outros dois jogadores do Bayern também fizeram doação: o lateral-direito Joshua Kimmich e o meia Leon Goretzka, que por coincidência nasceram no mesmo dia, mês e ano: são aquarianos de 8 de fevereiro de 1995, ambos da seleção alemã campeã do mundo em 2014 no Brasil. Eles doaram um milhão de euros e decidiram criar um fundo para aumentar a contribuição do estudo de combate à epidemia.

462 JOGOS – Lewandowski já realizou 462 jogos e marcou 333 gols no futebol alemão:103 gols em 187 jogos pelo Dortmund, de 2010 a 2014, e pelo Bayern, desde julho de 2014, 275 jogos e 230 gols, que o tornaram artilheiro em quatro temporadas consecutivas, com cinco títulos de campeão, depois de ter sido bi no Dortmund. De família do esporte, seu pai era judoca e sua mãe jogava vôlei.

CORAÇÃO – O artilheiro do Bayern tem motivos de sobra para gostar da Alemanha, baseando-se em frase do latim “Ubi bene, ibe patria” (Onde se está bem, aí é a pátria), mas jura jamais cortar as raízes da Polônia, nascido em 21 de agosto de 1988, na capital Varsóvia. Não foram poucas as vezes em que os dirigentes tentaram convencê-lo a se tornar cidadão alemão, para jogar pela seleção. Educado e polido, agradeceu sempre com elegância e diplomacia.

BOM DIZER – País realmente de primeiro mundo, onde a maioria da população fala pelo menos dois idiomas com fluência, a Alemanha registra a menor taxa dos 166 países atingidos pela epidemia do coronavírus: 31 mortes (uma a cada 350 casos), e tem mais cinco vezes a quantidade de leitos (25 mil) de cuidado intensivo com assistência respiratória. Os casos de morte na Alemanha, e não só com o coronavírus, são evitados com a realização permanente de exames preventivos. O povo vê a boa aplicação dos impostos que paga ao governo.

Foto: Record.pt