Escolha uma Página

Entristece-me, e não é pouco, registrar a perda de Newton Zarani, jornalista de muita competência e correção, que partiu para o plano superior, hoje (11), aos 93 anos, após sofrer um AVC. Tive a alegria de trabalhar e também de aprender com ele, treze anos mais velho que eu, na reta final do Jornal dos Sports, na Praça da Bandeira, onde almoçávamos no Rampinha.

A PAIXÃO – Newton Calomino Zarani, aos 93 anos, mantinha a paixão pelo futsal, que praticou até os 82, com disposição de novato. Foi o primeiro atleta inscrito na Federação do Rio de Janeiro, e em 1954, fundador da Federação Carioca, primeira registrada no mundo, tornou-se reconhecido como “o pai do Futebol de Salão” (denominação anterior a Futsal).

POMEROY – Professor universitário notável e de rara inteligência, o ex-árbitro FIFA Daniel Pomeroy é um dos que mais estão sentindo a perda de Zarani: “Foi um jornalista que me incentivou com críticas sempre muito construtivas, como na primeira final que apitei, no Fla-Flu de 1991. Por indicação dele, apitei também a primeira final do campeonato de Brasília“. A Pomeroy, um de seus árbitros mais corretos, o futsal tem eterno dever de gratidão.

HOMENAGEM – Em dezembro de 2019, na sede da Rua da Quitanda, no Centro, Newton Zarani recebeu a Medalha do Mérito da Associação de Cronistas Esportivos do Rio de Janeiro (Acerj), como um dos sócios fundadores. O presidente Eraldo Leite ressaltou-lhe o desempenho como “o de um profissional competente e autêntico ícone do esporte”.

AMÉRICA FC – Clube do coração, que frequentou desde a juventude, o América FC teve em Newton Zarani um atleta de muita técnica, que depois foi também treinador, coordenador, supervisor, diretor esportivo e social. Ele resumia: “Ao América, tudo e muito mais”. Sempre comentou comigo sobre a emoção do último título carioca do time, campeão em 1960.

EDUARDO ANTUNES COIMBRA, um dos notáveis da história do clube, que defendeu de 1966 a 1974, com 212 gols em 402 jogos, também se mostra triste com a perda de Newton Zarani“Foi sempre um grande incentivador de todos os jogadores, que o tratavam com respeito e carinho. Participou conosco, em Quintino, da última reunião dos ex-jogadores do América”.

OS ESPORTES – Embora com a imagem muito ligada ao Futsal, seu esporte preferido, Newton Zarani fez também, e com igual competência, cobertura de Hipismo, Remo, Natação, Futebol de Praia e Basquete. Mesmo com o Brasil em quinto no Mundial de 1990, que cobriu na Argentina, Zarani vibrou com o prêmio de Oscar Schmidt, o cestinha, com a média de 35.5 pontos por jogo.

SERGIO DU BOCAGE, apresentador do programa No Mundo da Bola, aos domingos à noite, na TV Brasil, diz ter aprendido muitas e excelentes lições com Newton Zarani, desde 1981, no Jornal dos Sports, ainda na Rua Tenente Possolo: “Foi um companheiro extraordinário, sempre interessado em transmitir experiência aos mais novos que chegavam na redação”. Compartilha da tristeza pela perda de Zarani, seu colega e amigo Silvio Barsettido Portal Terra e também torcedor do América.

Foto: Museu da Pedada, Marcelo Tabach, blog O América tem jeito, acervo pessoal de Sergio du Bocage.