Escolha uma Página

A janela de transferências se fecha depois de amanhã, segunda-feira, 2 de setembro, na França e na Espanha. O tempo é cada vez mais curto para o acerto entre o Paris Saint Germain e o Barcelona. Quem vai decidir é o brasileiro Leonardo Araújo, diretor do PSG, com plenos poderes do bilionário Nasser Al-Khelaifi, dono do clube.

LEONARDO jogou em 96-97 no PSG e acumula experiência na Europa, com passagens no Valencia, Kashima e Milan, depois que saiu do Flamengo (87-90) e do São Paulo (90-91): “Neymar é bom jogador, mas o relacionamento dele com o clube é ruim. Há muitos problemas a resolver e vamos ver como será possível superá-los” – disse o ex-lateral.

BEM CLARO – Leonardo fez questão de deixar bem claro: “Quando o PSG quis ter o Neymar, sabia que precisava pagar a multa. Foi a Barcelona, conversou e no dia seguinte fez o depósito. Agora, que o Barcelona o quer de volta, é muita conversa e nenhuma solução. Os pedidos do Barcelona não foram aceitos pelo PSG, e fim de conversa”.

“NEYMAR deixou claro comigo – disse Leonardo -, que quer voltar para o Barcelona. Mas o PSG quer o dinheiro que investiu e o Barcelona não tem dinheiro para ter o Neymar de volta. Os dois jogadores que pretendia incluir – Rakitic e Dembélé – não quiseram sair de Barcelona. O Barcelona chegou a oferecer outros sete, mas nenhum interessa ao PSG”.

“FALOU-SE DURANTE muito tempo que o Barcelona queria o Neymar de volta, mas é bom que fique bem claro: a primeira vez que o PSG recebeu uma proposta foi no dia 27 de agosto, ou seja, na última terça-feira. Tudo o mais não passou de bla-bla-blá, muita conversa e o dono do PSG não tem tempo nem gosta de se estender no mesmo assunto”.

LEONARDO Araújo, nascido e criado em Niterói, domina cinco idiomas, incluído o japonês, que soube aprender durante o tempo em que defendeu oKashima Antlers – 94 a 96 -, em 49 jogos e 30 gols, atuando no meio-campo. Na próxima quinta (5) vai completar 50 anos. Suas viagens ao Brasil passarão a ser sempre em férias ou se houver negócio a tratar. Adaptou-se como poucos à vida fora do país.