Todos os jornais europeus destacam em suas edições impressas desta segunda (14) o que já haviam feito, online, logo após o que classificaram como A Batalha Campal de Paris, assim que o árbitro François Letexier, de 31 anos, o mais jovem da Federação Francesa, apitou o final de PSG 0 x 1 Olympique Marselha, pela terceira rodada do campeonato, em que Neymar foi expulso e acusou de racista o zagueiro Alvaro Gonzalez, que o chamou de mono (macaco, em espanhol).

17 CARTÕES – Durante o jogo, sob forte tensão, o árbitro aplicou 12 cartões amarelos e 5 cartões vermelhos, recorde do Campeonato Francês no século 21. Neymar, Kurzawa e Paredes, do PSG, e Benedetto e Amavi, do Olympique, foram os expulsos. Antes de acabar o primeiro tempo, Neymar já havia comunicado ao árbitro reserva sobre as ofensas que estava ouvindo de Alvaro Gonzalez, zagueiro espanhol de 30 anos, 1,82m, que saiu do Racing Santander em 2012 para jogar no Olympique.

CUSPARADA – Os observadores revelaram que toda a grande confusão no gramado do Parque dos Principes teve início com a cusparada do meia argentino Di Maria na cara de Alvaro Gonzalez, depois que Neymar lhe falou sobre as ofensas racistas do jogador do Olympique, que estava há nove temporadas sem conseguir vencer o PSG. A vitória de ontem (13) foi com o gol do meia Florian Thauvin, de 27 anos, da seleção campeã do mundo em 2018, após passar por todas as categorias de base.

DI MARIA – Meia canhoto argentino de 32 anos, nascido em Rosário – terra de Messi -, Ángel Di Maria está na Europa desde 2007, quando estreou no Benfica e depois teve também passagens brilhantes no Real Madrid e no Manchester United, antes de chegar ao PSG, em 2015, até ontem (13), com 221 jogos e 82 gols. Di Maria e Neymar, muito parceiros, estavam de volta ao time, após a recuperação da Covid-19. Di Maria sequer esteve entre os advertidos com cartão amarelo, por cuspir no adversário. 

TAPA NA CARA – Neymar deu um tapa na cabeça do zagueiro Alvaro e depois disse ter lamentado que não fosse na cara: “Racista, provocou para que perdesse a cabeça. Lamento muito não ter dado um tapa na cara desse babaca” – resumiu Neymar, ainda transtornado com as ofensas que disse ter ouvido pela primeira vez. Neymar fez 186 jogos, entre 2013 e 2017 no Barcelona, e ontem (13) completou 86 jogos pelo PSG, e confessa ter passado pela primeira vez por esse constrangimento.

PROVOCAÇÃO – Toda a confusão teria começado antes das ofensas de Alvaro a Neymar, mas pela provocação de alguns jogadores do Olympique aos do PSG, devido à grande rivalidade, por ser o Olympique o único time francês que ganhou a Liga dos Campeões da Europa, em 92-93, enquanto o PSG perdeu a final 2019-20 para o Bayern. O Olympique é treinado pelo português André Villas-Boas, de 42 anos, que já dirigiu o Porto, cidade onde nasceu, e o londrino Chelsea.

BOM LEMBRAR – Fundado em 31 de agosto de 1889, o Olympique é um dos clubes mais antigos do campeonato, que ganhou nove vezes e campeão dez anos da Copa da França. Detém o recorde de média de público, por jogo – 53.130 – em 2014-2015, em seu Stade Velodrome, o mais antigo do Sul francês, desde 1937, onde vi de perto o Brasil perder (2 x 1) para a Noruega, na Copa do Mundo de 1998. Bom dizer: o jogo de ontem (13), foi assistido por 5 mil torcedores, limite máximo permitido.

BRASILEIROS – Bem antes dos atacantesJairzinho e Paulo Cesar, bicampeões 67-68 no Botafogo, o Olympique contratouJaguaré – 1905 – 1946 -, até os dias atuais, primeiro goleiro sul-americano de sua história, campeão de 1929 no Vasco, e da seleção brasileira na primeira Copa do Mundo (1930). Jaguaré era paulista e jogou no Olympique de 36 a 39. Ao voltar da França, tornou-se o primeiro a usar luvas, em jogos no Brasil, ao encerrar a carreira em 1940 no São Cristóvão. 

Foto: GONZALO FUENTES / REUTERS