NEYMAR TORNOU-SE O MAIOR ARTILHEIRO DA SELEÇÃO nas eliminatórias da Copa do Mundo, com 12 gols, superando os 11 de Zico e Romário, e os 10 de Tostão, Ronaldo Fenômeno, Kaká e Luis Fabiano, ao marcar o segundo gol dos 2 x 0 da noite de ontem (9) sobre o Peru, na Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata, município a 28 km da capital Recife. Neymar criou cinco chances excelentes, como a do primeiro gol, do meia Everton Ribeiro, aos 13 minutos. 

TANQUINHO – Neymar levantou a camisa, após o gol, para mostrar barriga de tanquinho, sarada, ainda inconformado com as críticas que recebeu pela atuação apagada na vitória sobre o Chile, em que esteve lento. Bem mais desenvolto, Neymar foi parado em alguns lances com faltas duras, como as que sofreu do zagueiro Anderson Santamaria e do volante Renato Tapia, advertidos com cartão amarelo pelo árbitro colombiano Wilmar Roldan.

BOM INÍCIO – O Brasil exerceu o domínio que já se esperava e decidiu o jogo no primeiro tempo, adotando o 4-2-4 quando de posse da bola e o 4-4-2 quando a bola estava com a seleção peruana. Foi uma atuação mais convincente, ainda que o Peru, sem brilho técnico e não à toa em penúltimo lugar, não possa servir de parâmetro. O desempenho dos alas Danilo e Alex Sandro foi bem mais satisfatório do que no jogo anterior com o Chile.

SEM SINTONIA – Quem não consegue emplacar na seleção é Gabriel, apesar de mantido até quase o final. A bola que ele isolou, no primeiro lance do segundo tempo, foi inacreditável, perdendo o que se convenciou chamar de gol feito. Hulk poderia ter merecido mais do que os sete minutos em que o substituiu. Mateus Cunha dispôs de mais tempo, mas não teve a atuação esperada desde que foi bem na seleção olímpica. 

SUSPENSÃO – O atacante Gabriel foi denunciado no Superior Tribunal de Justiça Desportiva e pode ser suspenso por seis jogos, após classificar o futebol brasileiro como “uma várzea”, ao ser expulso em 8 de agosto, no Maracanã, na goleada (4 x 0) que o Flamengo sofreu do Internacional. O STJD ainda não marcou a data do julgamento.

WEVERTON, Danilo (Daniel Alves), Lucas Veríssimo, Militão e Alex Sandro; Casemiro (Bruno Guimarães), Gerson (Edenilson), Everton Ribeiro (Mateus Cunha) e Paquetá; Gabriel (Hulk) e Neymar – a seleção do técnico Tite, que completou 47 vitórias. Das cinco derrotas, as únicas em jogos oficiais foram para a Bélgica, que eliminou o Brasil nas quartas de final da Copa do Mundo 2018, e para a Argentina, na decisão da Copa América 2021.

EM OUTUBRO – Líder com 100% de aproveitamento – 8 jogos, 8 vitórias -, a seleção volta a jogar pelas eliminatórias em outubro. Neymar, suspenso pelo segundo cartão amarelo, não participará do primeiro jogo, dia 7,com a lanterna Venezuela, em Caracas. O segundo será dia 10 com a Colômbia, na capital Bogotá, e o terceiro, dia 14, com o Uruguai, na Arena da Amazônia, em Manaus, o principal palco do futebol da região Norte do Brasil.

Foto: R7 Esportes