A entrada de Artur no lugar de Allan pode ser a única novidade na escalação do Brasil para o jogo da noite de hoje (17) com o Uruguai, que não terá Luis Suarez, artilheiro das eliminatórias, infectado com o novo coronavírus. O substituto mais provável é Darwin Nuñez, de 21 anos, revelado no Peñarol e recém comprado do Almeria, da segunda divisão da Espanha, pelo Benfica. O lateral-esquerdo Matias Viña, de 23 anos, do Palmeiras, também infectado, será outra ausência muito sentida pelos uruguaios.

A MUDANÇA – O técnico Tite, que completará 52 jogos dirigindo a seleção, não confirmou a troca de Allan, carioca de 29 anos, revelado no Vasco e atualmente no Everton, de Liverpool, pelo goiano Artur, de 24 anos, que não se firmou em dois anos no Barcelona – 72 jogos, 4 gols – e está tendo dificuldade para se adapar na Juventus, só tendo sido escalado em três jogos. Como se esperava, Tite não escalará Tiago Galhardo, artilheiro do Campeonato Brasileiro, desde o início do jogo.

A FORMAÇÃO – Tite não usou a assessoria de imprensa para anunciar a formação, feita por ele próprio, ainda em São Paulo, após o último treino, antes da viagem para Montevidéu: Ederson, Danilo, Marquinhos, Tiago Silva e Renan Lodi; Allan ou Artur, Douglas Luiz e Everton Ribeiro; Gabriel Jesus, Roberto Firmino e Richarlison. Como no jogo com a Venezuela, Gabriel Jesus e Richarlison poderão inverter posições, ficando Roberto Firmino mais centralizado.

SITUAÇÃO – Sem perder para o Uruguai desde 2001, o Brasil lidera as eliminatórias 2020 com 100% de aproveitamento  9 pontos em 3 jogos  e saldo de 8 gols (10 a 2). O Uruguai é quarto, com 6 pontos  2 vitórias, 1 derrota  e saldo de 2 gols (7 a 5). No último jogo da noite desta terça (17), em Lima, a Argentina, vice-líder com 7 pontos  2 vitórias, 1 empate e saldo de 2 gols (4 a 2)  já iniciará o jogo com o Peru, sabendo do resultado do Brasil. 

NÚMEROS – Uruguai e Brasil disputam hoje (17) o jogo de número 77, desde o primeiro, no Sul-Americano de 1916, em Buenos Aires, que os uruguaios venceram (2 x 1). Os números do retrospecto são muito favoráveis ao Brasil, que ganhou 36 jogos e só perdeu 20, mesmo número de empates. Em 76 jogos, o Brasil marcou 136 gols e o Uruguai, 97. Nas eliminatórias para a Copa de 2018, o Brasil goleou (4 x 1), no estádio Centenário, com três gols de Paulinho, ex-Corinthians, hoje na China, e 1 gol de Neymar.

DECEPÇÃO – A seleção do Peru é a grande decepção das eliminatórias, com 1 ponto dos 9 pontos disputados, saldo negativo de 4 gols (4 a 8) e atuações de baixo nível técnico. O  trabalho do treinador argentino Ricardo Gareca, de 62 anos, é alvo de muita crítica da crônica peruana, principalmente porque sua seleção, em antepenúltimo, só está à frente das inexpressivas Venezuela, sem ponto e sem gol marcado em três jogos, e Bolívia, também sem ponto e com saldo negativo de 7 gols (3 x 10).

TRISTE – O técnico argentino Diego Simeone, de 50 anos, e há 9 dirigindo o Atlético de Madrid, ficou triste ao saber que Luis Suarez está infectado porque não contará com o atacante no jogo importante de sábado (21) com o Barcelona, no estádio Wanda Metropolitano, em Madrid, pela décima rodada de La Liga. A dois pontos da líder Real Sociedad, de San Sebastián, o Atlético de Madrid, terceiro, está à frente dos arquirrivais Real Madrid, quarto, e Barcelona, oitavo.

Foto: Diário de Cachoerinha