Escolha uma Página

A SELEÇÃO BRASILEIRA terá novidades para o quinto jogo das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2026, amanhã (16), com a Colômbia, no Estádio Metropolitano de Barranquilla, no Norte do país, a 710 km da capital Bogotá. O goleiro Alisson reaparece porque Ederson sofreu lesão no pé; nas laterais, Emerson Royal e Renan Lodi; o volante André e o atacante Martinelli, titulares pela primeira vez, e Rodrygo será recuado para o meio-campo.

A SELEÇÃO foi definida pelo técnico Fernando Diniz: Alisson, Emerson Royal, Marquinhos (c), Gabriel Magalhães e Renan Lodi; André, Bruno Guimarães e Rodrygo; Raphinha, Martinelli e Vinicius Junior. O Brasil está empatado com o Uruguai em pontos (7), vitórias (2), empate (1), derrota (1), saldo de gols (3), mas o Uruguai é 2º por ter marcado mais um gol (8 a 7). O Uruguai sofreu mais um gol que o Brasil (5 a 4).

A SELEÇÃO tem início pouco animador nas eliminatórias, sem convencer nem mesmo com a goleada (5 x 1) sobre a Venezuela na estreia, em Belém, menos ainda na vitória em Lima sobre o Peru por 1 x 0, quando só conseguiu o gol nos minutos finais. O 1 x 1 com a Venezuela, na Arena Pantanal, em Cuiabá, foi decepcionante, e mais que a derrota para o Uruguai por 2 x 0, a atuação bem abaixo do espero no mítico Estádio Centenário de Montevidéu.

O JOGO DE AMANHÃ (16) será o 36º da história de Colômbia x Brasil, com 21 vitórias da seleção brasileira, apenas três da seleção colombiana e onze empates. Nas eliminatórias, a Colômbia nunca venceu o Brasil: 7 derrotas, 7 empates. Mas os confrontos na Colômbia revelam menos vantagem da seleção brasileira, que só ganhou dois e empatou cinco. O jogo mais marcante entre as seleções não foi pelas eliminatórias, mas pelo então Campeonato Sul-Americano, hoje Copa América.

BRASIL 9 x 0 COLÔMBIA, sábado, 23 de maio de 1957, no Estádio Nacional de Lima. O recorde de cinco gols de Evaristo, que o Flamengo vendeu pouco depois ao Real Madrid, até hoje não foi igualado, em um só jogo, por outro jogador da seleção. No 4-2-4 da época, a seleção do técnico gaúcho Oswaldo Brandão: Gilmar, Djalma Santos, Edson, Zózimo e Nilton Santos; Roberto Belangero e Didi; Joel (Claudio), Zizinho, Evaristo e Pepe.

EMBORA EM 5º lugar com 6 pontos, a Colômbia ainda não perdeu: uma vitória, três empates, saldo de 1 gol (3 a 2). O técnico argentino Néstor Lorenzo, ex-zagueiro de 57 anos, não terá Jhon Arias (Fluminense), suspenso, mas conta com Luis Diaz (Liverpool), reanimado após reencontrar o pai, que havia sido sequestrado pelo ELN (Exército de Libertação Nacional), grupo guerrilheiro de inspiração comunista e de caráter político-militar.

O MEIA JAMES RODRIGUEZ, do São Paulo, que terá função mais ofensiva, é o único que joga no Brasil, na seleção definida com Camilo Vargas, Daniel Muñoz, Carlos Cuesta, Davinson Sanchez e Deiver Machado; Mateus Uribe, Lerma e Castaño; Rafael Borré, James Rodriguez e Luis Diaz. Colômbia x Brasil será apitado por Andrés Matonte, com os assistentes Nicolás Taran e Martin Soppi, que representaram a arbitragem uruguaia na Copa do Mundo de 2022 no Catar.

ARGENTINA DEFENDE INVENCIBILIDADE

ÚNICA AINDA SEM SOFRER GOL, a Argentina defende a invencibilidade e a liderança, no jogo de amanhã (16) com o Uruguai, no mítico Estádio de La Bombonera, em Buenos Aires, com arbitragem do colombiano Wilmar Roldan, que apitou a final da Libertadores Fluminense 2 x 1 Boca. Em disputa também a artilharia das eliminatórias, entre o capitão Messi e Nicolás de la Cruz, com três gols.

O APROVEITAMENTO DE 100% atribui certo favoritismo à Argentina, pelo fator campo. A seleção do técnico Lionel Scaloni, ex-lateral-direito de 45 anos, venceu os quatro jogos sem sofrer gol: 1 x 0 no Equador, Messi, de falta; 3 x 0 na Bolívia (Messi poupado), gols de Enzo Fernandez, Tagliafico e Gonzalez; 1 x 0 no Paraguai, gol de Otamendi, e 2 x 0 no Peru, gols de Messi. Será o 15º confronto das eliminatórias: Argentina, 8 vitórias; Uruguai, 2; empates, 4.

A SELEÇÃO URUGUAIA, do técnico argentino Marcelo Bielsa, ex-zagueiro de 68 anos, conta com a volta de Luis Suarez, convocado depois de grandes atuações no Grêmio, que o levaram ao terceiro lugar dos principais artilheiros do Campeonato Brasileiro com 14 gols, menos dois que Tiquinho Soares (Botafogo) e menos três que Paulinho (Atlético Mineiro). Será o reencontro de Suarez e Messi, amigos e ex-parceiros de sucesso no Barcelona.

Foto: Sportbuzz