A seleção do terceiro e último jogo da Copa de 66, que perdeu para Portugal. Em pé, Orlando (c), Manga, Brito, Denilson, Rildo e Fidélis. Agachados, massagista Mario Américo, Jairzinho, Lima, Silva Batuta, Pelé e Paraná.

É PRECISO QUE O BRASIL não se deixe abater pela primeira derrota para uma seleção africana em Copa do Mundo. Só assim poderá evitar, no jogo de hoje (5) com a Coreia do Sul, a repetição do fracasso da Copa de 1966, ao ser eliminado pela única vez na fase de grupos, com duas derrotas consecutivas.

O BRASIL CHEGOU à Inglaterra, credenciado a ser, de fato e de direito, o primeiro tricampeão, após os títulos de 1958 e 1962, quando se igualou à Itália, primeira bicampeã em 1934 e 1938. Mas só o início foi bom, com Pelé e Garrincha, que nunca perderam juntos na seleção, marcando os gols dos 2 x 0 na Bulgária.

SEM PELÉ, O BRASIL perdeu o segundo jogo para a Hungria por 3 x 1, sofrendo gol de Ferenc Bene, logo aos dois minutos, e com muita dificuldade para manter o 1 x 1, com o gol de Tostão, antes da saída para o intervalo. No 2º tempo, em nove minutos, Farkas e Meszoly, de pênalti, liquidaram o jogo, com o Brasil entregue.

A troca de flâmulas dos capitães Orlando e Mario Coluna.

SEM GARRINCHA, O BRASIL foi eliminado por outro 3 x 1, com Portugal abrindo 2 x 0, gols de Simões e Eusébio, que marcaria o 3º no 2º tempo. Pelé sofreu muito, com faltas duríssimas e desleais, principalmente do zagueiro Vicente, o que obrigou o árbitro inglês McCabe a parar o jogo três vezes para o médico Hilton Gosling atendê-lo. Quando já estava 2 x 0, o lateral Rildo fez o gol.

O BRASIL SAIU DA COPA cabisbaixo, mas em quatro anos se recuperou, graças a João Havelange, o dirigente com mais visão e capacidade do futebol brasileiro, primeiro presidente da Fifa a organizar quatro Copas do Mundo. A seleção voltou a ser campeã em 70, com o terceiro título, e pela primeira vez, vencendo todos os seis jogos. Havelange assumiu a Fifa em 74 e a seleção ficou cinco Copas sem Copa.

É O MESMO PERÍODO que pode completar agora em 2022 no Catar. Depois de 2002, em que venceu os sete jogos e voltou a ter um capitão campeão, quatro Copas já se passaram, em branco e com direito a vexames, tipo 7 x 1, seguido de 3 x 0 na perda do 3º lugar. Hoje (5) será bem melhor iniciar a reação do que voltar pra casa.

Fotos: Divulgação e Três pontos