O Brasileirão 2019 recomeça neste segundo fim de semana de julho, após a pausa para a Copa América. A Comissão de Arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol registra o menor número de faltas da história: 2.461 em 89 jogosmédia de 27.65 faltas por jogoPor extensão, também diminuiu a aplicação de cartões amarelos:393média de 4.44 por jogo, e de cartões vermelhos18 em 89 jogosmédia de 0,20 por jogo.Os números são bem animadores e podem melhorar ainda mais.

Claudio Vinícius Cerdeira / Flickr

EXPERIÊNCIA – Claudio Vinícius Cerdeira, carioca de 64 anos, árbitro em sete edições da Libertadores, eliminatórias da Copa do Mundo e final da Copa Mercosul 1998, faz parte da equipe experiente de ex-árbitros da CBF, desde abril dirigida pelo gaúcho Leonardo Gaciba, de 48 anos, melhor árbitro do Brasileirão quatro vezes consecutivas, e na Fifa de 2005 a 2009. Cerdeira é um dos analistas que mais se apegam a detalhes e as conclusões de suas observações sempre são muito favoráveis.

ANO DO VAR – Claudio Vinícius Cerdeira destaca que nos 89 jogos das nove primeiras rodadas – apenas Corinthians x Goiás, da sétima rodada foi adiado -, o número de revisões do árbitro de video foi de 51, em que foram corrigidos 42 erros capitais, 16 em pênaltis. O acerto em lances de pênaltis chegou perto dos 100% (91,48%). Cerdeira especifica: “O VAR fez até agora 470 checagens, 33% delas em lances de pênaltis, com 53% das revisões. Os lances de gols e de cartões vermelhos foram menores”.

MENOR TEMPO – Analista muito atento, o ex-árbitro Claudio Vinícius Cerdeira acompanha o futebol no mundo e diz que “os jogos da Liga dos Campeões da Europa – maior torneio de clubes do planeta – levam em média um minuto e meio em suas checagens, tempo maior que os 54 segundos dos jogos da última Copa (2018, na Rússia). A CBF tem buscado avanços constantes para estar no menor tempo, de checagem e de revisão, a fim de que o tempo de bola rolando seja maior. A média atual é de 55 minutos, mas vai aumentar” – destaca o ex-árbitro, que atuou em 134 jogos do Campeonato Brasileiro da Série A, entre 1981 e 1999.

POUCOS SABEM – Alguns só ouvem falar, mas poucos sabem o que é. VAR -Video Assistant Referee, ou seja Árbitro Assistente de Video – participa de algumas, não de todas, das decisões que podem ser revistas. Entre os mais importantes: 1 – Gol (a bola entrou ou não entrou?) 2 – Pênalti (foi ou não foi?) 3 – Cartão vermelho direto. 4 – Posição de impedimento na jogada de criação do gol (só no lance que gerou o gol). 5 – Infração da equipe atacante na jogada de criação do gol (qualquer falta não marcada).

PÊNALTI NÃO MARCADO é outra das decisões que o VAR pode assumir, assim como a do pênalti mal marcado pelo árbitro. 8 – Falta ou impedimento, antes da jogada de pênalti, cometido pela equipe atacante. 9 – Bola fora de campo antes da jogada de pênalti. 10 – Não há revisão no caso de segundo cartão amarelo, só em caso de cartão vermelho direto. O VAR foi aprovado em reunião de junho de 2016 e dois meses depois implantado em jogo do campeonato dos Estados Unidos.

NÃO FOI UTILIZADO – A primeira Associação de Futebol do mundo a implantar o VAR, em jogo oficial, foi a da Austrália, no dia 7 de abril de 2017, no jogo Melbourne x Adelaide, concluído sem que o árbitro de video tenha sido utilizado. Pouco depois, na temporada 2017-2018 de seus campeonatos nacionais, as Federações da Itália, Alemanha e Portugal também passaram a adotar. A primeira Copa do Mundo com VAR foi a de 2018. Na Inglaterra, além de um clássico em todas as 10 primeiras rodadas, o VAR será a novidade do campeonato que começa em agosto.