NÃO É MERA COINCIDÊNCIA, É A DOLOROSA REALIDADE, APÓS A SAÍDA DE MESSI. O Barcelona não faz início tão ruim de temporada, depois de quatro jogos, com vitórias sobre adversários nada expressivos, e empates, bem sofridos, com equipes modestas, como o que encerrou, na noite de ontem (20), a sexta rodada de La Liga. A primeira vitória, na volta do público ao estádio, era muito esperada, mas os 27 mil torcedores saíram do Camp Nou decepcionados.

OUTRO 1 x 1 – Depois de ganhar da Real Sociedad (4 x 2) e do Getafe (2 x 1), o Barcelona repetiu o 1 x 1 do jogo como visitante com o Athletico de Bilbao, só que, desta vez, com o Granada, primeiro dos quatro últimos. Um empate bem amargo, com requinte de crueldade, ao sofrer o gol de cabeça do zagueiro português Domingos Duarte, aos 4 minutos, e só conseguir se livrar da derrota, aos 45 do segundo tempo, com o gol de cabeça do zagueiro uruguaio Ronald Araujo.

“O BARCELONA DE HOJE ESTÁ A ANOS LUZ DO BARCELONA DE ANTES”, resume o conceituado MARCA, diário esportivo mais lido da Espanha, em sua edição desta terça (21), lembrando que “de uma equipe notável, que encantou o mundo, só restam Ter Stegen, Piqué e Busquets”. O Barcelona está iniciando um período delicado de transição, que não se sabe se os torcedores terão tanta paciência para esperar, menos ainda para reduzir a pressão pela saída do técnico.

RONALD KOEMAN, holandês de 58 anos, tem o nome marcado na história do Barcelona, único clube que defendeu fora de seu país, campeão no Ajax, PSV e Feyenoord. E não foi só bom zagueiro, tetracampeão espanhol – 90-91 a 93-94 -, mas também o zagueiro recordista mundial de gols, de todos os tempos, com 250 em 755 jogos, dos quais 87 marcados em 264 jogos com a camisa do Barcelona. Hoje, a torcida exige vitórias, e talvez o tempo do técnico termine antes.

REAL MADRID, LÍDER, 13 pontos, com o artilheiro Benzema, seis gols, e líder de assistências (5); o vice-artilheiro Vinícius Junior, cinco gols, e o Barcelona em sétimo, com saldo de três gols (8 a 5), abaixo do vice-líder Atlético de Madrid, e do Valencia, aparecendo como terceiro, é até humilhação para o Barcelona em queda livre. O ciclo ainda não chegou ao fim, mas está se aproximando bem mais rápido do que se imaginava. Como diz um amigo, “acabou o milho, acabou a pipoca”.

Foto: 90 minutos