A seleção brasileira volta a campo hoje, 4 de junho de 2021, quase sete meses após a última das quatro vitórias pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, na noite da terça-feira, 17 de novembro de 2020, no estádio Centenário, em Montevidéu, 2 x 0 no Uruguai. Dos que iniciarão o jogo com o Equador, na Arena Beira Rio, em Porto Alegre, o único que joga no Brasil é Gabriel, do Flamengo, um dos personagens das historinhas desta matéria especial. 

RONALDINHO GAÚCHO – Faz quase dez anos que Ronaldinho Gaúcho foi o último jogador do Flamengo a marcar um gol com a camisa da seleção, empatando (1 x 1), em cobrança de falta, o amistoso no estádio Corona, em Terreon, segunda maior cidade de Coahuila, terceiro maior dos 31 estados mexicanos, na noite da quarta-feira, 12 de outubro de 2011, na despedida do goleiro Osvaldo Sanchez, de 38 anos, que defendeu o México nas Copas do Mundo de 98, 2002 e 2006.

72 JOGOS, 28 GOLS – O resumo dos dois anos de Ronaldinho Gaúcho no Flamengo, quinto clube de sua bela carreira, campeão carioca em 2011, após campeão italiano no Milan, em 2010-11, com 29 gols em 116 jogos. O Brasil só não saiu para o intervalo perdendo por 2 x 0, depois do gol contra do zagueiro David Luiz, desviando cruzamento do meia Pablo Barrera, porque o goleiro Jefferson, aos 44, defendeu pênalti do meia Andrés Guardado, cometido no atacante Chicharito por Daniel Alves, já advertido com cartão amarelo, e expulso pelo árbitro Marlon Mejia, de El Salvador.

12 JOGOS DEPOIS – Ronaldinho Gaúcho, um dos notáveis da última Copa que o Brasil ganhou em 2002, estava há 11 jogos sem marcar pela seleção, e fez o gol de empate aos 33 do segundo tempo. Na cobrança da falta, a bola passou com efeito do lado da barreira, e o homenageado Osvaldo Sanchez, bom goleiro, só olhou. Cinco minutos depois, com aquele olhar trocado, Ronaldinho deu assistência para o lateral Marcelo fazer aos 38 o gol da virada e as pazes com o técnico Mano Menezes. Bom lembrar: na seleção, entre 1999 e 2013, Ronaldinho marcou 33 gols em 97 jogos.

GABRIEL 2011 – O artilheiro do Flamengo faz hoje (4) o sexto jogo pela seleção, desde a estreia, em 29 de maio de 2016, no último amistoso, 2 x 0 no Panamá, antes da Copa América, no Goods Park, em Denver, capital do Colorado. Jonas, ex-Benfica, marcou o primeiro gol, e Gabriel fez o segundo. O outro gol de Gabriel, único em jogo oficial da seleção, foi na estreia da Copa América, em 8 de junho de 2016, Brasil 7 x 1 Haiti, no estádio Citrus Bowl, em Orlando, no estado da Flórida. Ele marcou o quarto gol, aos 14 do segundo tempo. 

A IRONIA DOS 7 x 1 – Gabriel e os outros autores dos gols – Phillippe Coutinho (3), Renato Augusto (2) e Lucas Lima -, ficaram meio sem graça, após o jogo, quando alguém lembrou, com ironia, que o gol do meia haitiano Marcelin, quando já estava 6 x 0, foi “um certo alívio”, dois anos depois do 7 x 1 da Alemanha. Nem é bom lembrar, mas foi a derrota mais vergonhosa que o Brasil sofreu em Copa do Mundo, ao ser eliminado nas quartas de final, naquela terça, 8 de julho de 2014, no Mineirão. O resumo de Gabriel na seleção: 2 vitórias, 2 empates, 1 derrota, 2 gols em 5 jogos.

A SELEÇÃO – Alisson (Liverpool), Danilo (Juventus), Militão (Real Madrid), Marquinhos (PSG) e Alex Sandro (Juventus); Casemiro (Real Madrid), Fred (Manchester United) e Lucas Paquetá (Lyon); Richarlison (Everton), Neymar (PSG) e Gabriel (Flamengo) – com oito mudanças do técnico Tite, que completa 53 jogos, desde a estreia em 1 de setembro de 2016, com 3 x 0 no Equador, em Quito – 2 de Gabriel Jesus, e Neymar -, pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. Resumo de Tite na seleção: 38 vitórias, 10 empates, 4 derrotas, 112 gols marcados, 19 sofridos em 52 jogos.

O CAPITÃO – O volante Casemiro, de 29 anos, paulista de São José dos Campos, completa 49 jogos pela seleção, com três gols, convocado pela primeira vez em 2011. Será seu sexto jogo com a braçadeira de capitão, desde o primeiro – 0 x 0 com a Bolívia -, em 5 de outubro de 2017. Já fez 275 jogos e 27 gols pelo Real Madrid, desde 2012-13, ganhando 14 títulos, com destaque para três Mundiais de clubes e quatro Ligas de Campeões da Europa.