Escolha uma Página

A GOLEADA DE 4 x 0 DO FLAMENGO no Velez, na noite da 4ª feira, 31 de agosto de 2022, no estádio José Amalfitani, em Buenos Aires, tornou-se a mais expressiva de um visitante na Argentina, nas semifinais da Libertadores, disputada desde 1960. E reabriu o espaço dos registros mais importantes do maior torneio de clubes da América do Sul, que os mais velhos vão relembrar e os mais novos vão conhecer.

A PRIMEIRA GOLEADA DE 4 x 0 de um visitante brasileiro na Argentina foi a do Cruzeiro no Racing, na noite da 4ª feira, 15 de setembro de 1999, no estádio El Cilindro, em Buenos Aires. O time era dirigido por Levir Culpi e os gols foram de Paulo Isidoro (2), Djair e André Luis.

MAS A PRIMEIRA GOLEADA DE 4 x 0 de um visitante, na semifinal da Libertadores, foi a do Santos sobre o Botafogo, na 4ª feira, 28 de agosto de 1963, no Maracanã, com três gols de Pelé, e um gol de Lima. Pedro repetiu Pelé, ao marcar os três gols do Flamengo no Velez, na noite da última 4ª feira de 2022.

NO ENTANTO, A MAIOR de todas as goleadas de um visitante foi a do Millonarios da Colômbia sobre a Universidad do Chile por 6 x 0, na 1ª rodada da fase de grupos da 1ª Libertadores, em 8 de maio de 1960. E as maiores goleadas, em decisões, foram as do São Paulo, 5 x 1 na Universidad Católica em 1993 e 4 x 0 no Atlético Paranaense em 2005.

PEÑAROL 11 x 2 VALENCIA, da Venezuela, no domingo, 15 de março de 1970, no Estádio Centenário, em Montevidéu, o jogo com mais gols da Libertadores. O Peñarol ainda contava com Alberto Spencer, que fez 2 gols, e tinha outros notáveis: o goleiro Ladislao Mazurkiewicz; o zagueiro chileno Elias Figueroa, campeão no Internacional; o lateral Pablo Forlan e o meia Pedro Rocha, campeões no São Paulo.

O ARTILHEIRO DOS ARTILHEIROS

O MAIOR ARTILHEIRO da Libertadores foi Alberto Spencer, com 48 gols pelo Peñarol do Uruguai, primeiro bicampeão (1960-61), e 6 gols pelo Barcelona, de Guaiaquil. Mas o maior artilheiro de uma única edição da Libertadores foi o argentino Daniel Onega, com 17 gols em 1966, ano do segundo dos quatro títulos do River Plate.

EMBORA SEM O TÍTULO há 38 anos, o Independiente se mantém como único com sete títulos da Libertadores, o último em 1984. Foi bi campeão em 1964-65, e o único tetracampeão, em 1972-73-74-75, e um dos seis campeões invictos, com 5 vitórias e 2 empates, em 1964.

O ESTUDIANTES DE LA PLATA é o único bicampeão invicto, com 4 vitórias em 1969, e 3 vitórias e 1 empate, em 1970. Primeiro campeão da Libertadores, o Peñarol foi invicto em 1960, com 3 vitórias e 4 empates, números que o Santos, primeiro brasileiro, repetiu em 1963. O Boca teve 4 vitórias e 2 empates em 1978, e o Corinthians, campeão invicto em 2012, 8 vitórias e 6 empates.

O TÉCNICO COM MAIS TÍTULOS

O EX-ATACANTE CARLOS BIANCHI, hoje aos 73 anos, é o técnico mais vezes campeão e ganhou o apelido de Míster Libertadores, após os títulos de 1994 no Velez e de 2000, 2001 e 2003 no Boca. Bianchi também ganhou cinco vezes o prêmio de melhor técnico da América do Sul.

SÓ DOIS TÉCNICOS BRASILEIROS foram campeões da Libertadores em clubes diferentes, o gaúcho Luis Felipe Scolari, no Grêmio, em 1995, e no Palmeiras, em 1999, e o carioca Paulo Autuori, no Cruzeiro, em 1997, e no São Paulo, em 2005.

O CROATA MIRKO JOZIC, então aos 51 anos, foi o primeiro técnico estrangeiro campeão da Libertadores, no único título do Colo-Colo, do Chile, em 1991. Onze anos depois, ele dirigiu a Croácia na Copa do Mundo de 2002. O segundo campeão foi Jorge Jesus, aos 65 anos, com o Flamengo em 2019, e Abel Ferreira, o único estrangeiro duas vezes consecutivas campeão com o Palmeiras, em 2020 e 2021.

TERCEIRA FINAL BRASILEIRA INÉDITA

FLAMENGO x PALMEIRAS OU ATHLETICO PARANAENSE, sábado, 29 de outubro de 2022, no Estádio Monumental de Guaiaquil, maior cidade do Equador, será a inédita terceira final brasileira consecutiva da Libertadores. Com o terceiro título do Flamengo, três consecutivos do Palmeiras ou primeiro do Athletico Paranaense.

O PALMEIRAS registrou marcas históricas em 2022: a melhor campanha da fase de grupos, com 100% de aproveitamento (6 jogos, 6 vitórias); o que marcou mais gols (25), e nove vitórias consecutivas, repetindo o que já havia conseguido em 2021.

O PALMEIRAS foi o que se manteve mais tempo invicto como visitante, desde 2019 até 28 de agosto de 2022, quando perdeu para o Athletico Paranaense por 1 x 0, no primeiro jogo da semifinal, depois de 14 vitórias e 5 empates. 

POR ÚLTIMO, MAS NÃO MENOS IMPORTANTE: antes dos três gols nos 4 x 0 no Velez, o artilheiro Pedro já havia se tornado o primeiro da história do Flamengo a marcar quatro gols em um jogo, nas oitavas de final da Libertadores, na goleada sobre o Tolima, da Colômbia, por 7 x 1, na 4ª feira, 6 de julho de 2022, no Maracanã.

Foto: Futboleiro Brasil / Ogol / FNV Sports