Escolha uma Página

SOB FORTE EMOÇÃO, quase chorando, o presidente Marcelo Teixeira anunciou como primeira medida para 2024,
logo após a vitória na eleição da noite de ontem (9), que o Santos não usará a camisa 10, enquanto disputar a
Série B do Campeonato Brasileiro: “Penso que é uma homenagem, mais uma muito especial, que podemos prestar
ao nosso maior símbolo, reconhecido e reverenciado como o maior da história de todos os tempos do futebol mundial”.

MUITO APLAUDIDO ao anunciar a decisão, o presidente Marcelo Teixeira acrescentou que “o time do Santos só
voltará a entrar em campo com a camisa 10 quando retornar à Série A”. O dirigente foi ainda mais ovacionado ao
dizer que “não mediremos esforços para que o Santos recupere seu verdadeiro e merecido lugar na elite do futebol brasileiro, voltando à Série A em 2025, quando então utilizaremos de novo a camisa 10 que o nosso Rei Pelé imortalizou
como referência de artilheiro”.

O NOVO PRESIDENTE DO SANTOS

MARCELO PIRILO TEIXEIRA, de 59 anos, ganhou a eleição deste sábado (9), com 4.762 votos e voltará à presidência do Santos, pela terceira vez, depois de 15 anos. Nos mandatos anteriores, entre 1991-93 e 2000-09, o Santos foi campeão brasileiro em 2002 e 2004; bicampeão paulista em 2006-2007 e vice-campeão da Libertadores em 2003. Sua missão principal, que exigirá muito esforço, é a de fazer o time voltar à Série A em 2025, após o primeiro rebaixamento.

O SANTOS ESTÁ FINALIZANDO 2023, com dívida em torno de R$800 milhões, e não disputará nenhuma competição internacional em 2024, só o Campeonato Paulista, em que pediu, e já recebeu, antecipação das cotas de R$30 milhões, e a Série B, sem apoio financeiro da CBF. Tal como os outros três rebaixados, Goiás, Coritiba e América Mineiro, o Santos também não receberá premiação, que só contempla em 2023, como em todos os anos, do 1º ao 16º lugar.

17º, COM 43 DOS 114 PONTOS disputados, o primeiro rebaixamento do Santos, oito vezes campeão da Série A, foi marcado pela pior campanha da história do clube: 11 vitórias, 10 empates, 17 derrotas, nenhuma tão humilhante quanto a de 7 x 1 para o Internacional, a maior goleada de 2023, e a quarta maior de toda a história do Campeonato Brasileiro, no domingo, 22 de outubro, na Arena Beira Rio, em Porto Alegre. O saldo devedor de gols do Santos foi de 25 (39 a 64).

FILHO DO EX-PRESIDENTE Milton Teixeira (1983 a 1987), Marcelo Teixeira ganhou a eleição pela chapa Santos Grande de Novo, em clima tenso, com policiamento reforçado e votação paralisada durante 35 minutos, devido à tentativa de invasão do ginásio da Vila Belmiro, ainda sob o efeito do rebaixamento do time. O clima ficou ainda mais tenso, após a discussão exasperada, entre torcedores exaltados e Celso Jatene, presidente do Conselho Deliberativo.

A POLÍCIA MILITAR de Santos continua tentando identificar os assaltantes do atacante colombiano Mendoza, reconhecido na saída da Vila Belmiro. Os torcedores mandaram que descesse do carro, roubaram tudo o que tinha e atearam fogo, como também em seis ônibus, quatro automóveis e três viaturas da PM, ferindo 11 policiais militares, após a derrota da última 4ª feira (6) para o Fortaleza (2 x 1), que consumou o primeiro rebaixamento do Santos.

MARCELO TEIXEIRA, eleito com 4.762 votos, é dono do Complexo Educacional Santa Cecília, o mais antigo (1961) e o maior do litoral paulista, com mais de 20 mil alunos e de setenta cursos de nível superior. Dos outros quatro candidatos, três conseguiram mais de mil votos: Maurício Maruca, administrador e sócio do clube desde 2007 (1.378); Rodrigo Marino, que perdeu a eleição em 2020 (1.073), e o publicitário Ricardo Agostinho (1.011 votos).

Fotos: Versus e Santa Portal