A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL divulgou nota nesta 2ª feira (12), um dia depois da volta da delegação que estava no Catar, reafirmando que “ninguém está autorizado a falar sobre o novo técnico, a não ser o próprio presidente”. Ednaldo Rodrigues foi claro e objetivo: “A decisão só será anunciada em janeiro”.

MARCA, principal esportivo espanhol, publicou matéria com o presidente Florentino Perez e o técnico italiano Carlo Ancelotti, em que ambos dizem estarem alinhados para o cumprimento do restante do contrato, até meados de julho de 2024. Dirigente e técnico voltaram a dizer que “a palavra é uma só e não muda”.

ZICO, UMA DAS FIGURAS MARCANTES, com 88 jogos, 65 vitórias e 66 gols, entre fevereiro de 76 e março de 89, disse em entrevista aos canais da Fifa: “Se tivesse que escolher, Ancelotti seria meu primeiro nome. É bom técnico, plenamente vitorioso, conhece bem e gosta do futebol brasileiro”. Zico disputou três Copas.

RIVALDO, da seleção que ganhou a última Copa, em 2002, tem opinião diferente: “Não concordo com técnico estrangeiro e considero falta de respeito com os técnicos brasileiros, que são até mais capazes”. Rivaldo teve problema com Ancelotti no Milan e só participou de 40 jogos em dois anos no clube (2002 a 2004).

O PRESIDENTE DA CBF reafirmou que “a escolha do novo técnico está sendo tratada de forma responsável, com muita clareza, seriedade, isenção e sem nenhuma pressão”. A CBF rechaça qualquer informação e reafirma que “ninguém está autorizado a falar com nenhum profissional”.

OS DOIS PRIMEIROS JOGOS da seleção em 2023 serão entre 20 e 28 de março, amistosos ou do início das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2026, a primeira com 48 seleções e em três países: México, sede pela terceira vez, apos 70 e 86; Estados Unidos, pela segunda vez, após 1994, e Canadá, pela primeira vez.

Foto: O Liberal