Um dia depois da alegria de ser o primeiro a ganhar pela sexta vez a Chuteira de Ouro como artilheiro da Europa na temporada 2018-2019, com os 36 gols marcados pelo Barcelona, campeão espanhol, Messi estabeleceu outro recorde, o de ser o primeiro a fazer gol em seis finais da Copa do Rei. Só que esse recorde da noite de ontem, último sábado (25) de maio, no estádio Benito Villamarin, em Sevilha, onde perdeu (2 x 1) para o Valencia, foi o recorde mais triste de sua notável carreira.

MESSI superou uma das maiores legendas do futebol espanhol, o imortal Telmo Zarra – 1921 – 2006 -, atacante de quinze temporadas consecutivas no Atlético de Bilbao – 1940 a 1955 -, autor de gol em cinco finais da Copa do Rei e seis vezes artilheiro do campeonato, sem ser superado por outra legenda, o argentino Di Stefano – 1926 – 2014 -, do Real Madrid, pentacampeão da Liga dos Campeões, considerado o melhor de todos os jogadores do clube mais vezes campeão da Espanha.

Zarra / Foto Footie Spot

ZARRA teve o recorde incrível, na época, de 38 gols no Campeonato Espanhol de 1950-1951, mantido durante 60 anos! O recorde só foi superado por Cristiano Ronaldo, com 40 gols, em 2010-2011. Só que, na temporada seguinte, com a genialidade de Messi, o recorde foi ampliado para 50 gols, em 2011-2012. Os números dos controladores de estatística, desde que Messi se notabilizou, até chegar a ser cinco vezes melhor do mundo, ganharam dimensão bem próxima da velocidade.

MESSI saiu cabisbaixo, abatido e triste da decisão da noite de ontem (25) da Copa do Rei, que ganharia pela quinta vez consecutiva, outro recorde a ser acrescentado às suas marcas históricas. Seria uma forma de amenizar o sofrimento porque passou, um dos mais dolorosos de sua carreira, ao ser eliminado pelo Liverpool nas semifinais da Champions, com os 4 x 0 na Inglaterra, depois de fazer 4 x 1 em Barcelona, com um de seus gols de falta mais lindos, em cobrança irretocável.

TUDO ISSO é parte da vida, dentro ou fora de campo. E a vida, é como gosta de dizer meu querido amigo Branco, um dos grandes laterais da história: “A vida é um viaduto. Um dia, você passa por cima; outro dia, você passa por baixo”.