Quando o Botafogo ganhou o primeiro bicampeonato no Maracanã, em 61-62, Zagallo era o ponta-esquerda, fez 43 dos 49 jogos e marcou 4 gols. No segundo bi, Zagallo ganhava seus primeiros títulos como técnico e tinha uma referência na defesa: Sebastião Leônidas, aos 30 anos, um dos zagueiros mais técnicos da época, que participou de todos os 34 jogos de 67-68, em que o time não sofreu gol em 18 jogos.

SEBASTIÃO LEÔNIDAS, capixaba de Jerônimo Monteiro, a 184 km da capital Vitória, faz 82 anos hoje, 6 de abril de 2020. Campeão mineiro no América em 57, atuou em 5 dos 22 jogos do último título carioca do América, em 1960. Fez 247 jogos pelo Botafogo, de 66 a 71, ganhando o bi da Taça Guanabara e do Carioca, em 67-68. Iniciou como técnico campeão carioca de juniores em 98, ficou no Botafogo até 73 e voltou como vice-campeão brasileiro em 72.

Em pé, a partir da esquerda, Moreira, Cao, Zé Carlos, Leônidas, Valtencir e Carlos Roberto. Agachados, Rogerio, Gerson, Roberto, Jairzinho e Paulo Cesar. As campanhas do bicampeonato foram iguais em 67-68: 15 vitórias, 2 empates, uma derrota, por coincidência para o mesmo adversário, o Vasco; pelo mesmo placar (2 x 0) e ambas na penúltima rodada do turno. Nem sob encomenda. 

MELHOROU – Em 67, o Botafogo marcou 30 gols, sofreu 11 e não levou em 8 dos 18 jogos. A final (2 x 1) foi com o Bangu, campeão de 66, diante de 111 mil torcedores. Gerson, de falta, fez o gol do título. Em 68, o Botafogo fez 40 gols e sofreu 10, não levando gol em 10 dos 18 jogos. A final (4 x 0) foi com o Vasco, diante de 148 mil torcedores. Os gols de Roberto e Rogério, e Jairzinho e Gerson. Uma das decisões mais fáceis da história do Maracanã.

LEÔNIDAS, o goleiro Manga e o lateral-esquerdo Valtencir – 1946 – 1978 – participaram de todos os 18 jogos da campanha de 1967. No ano seguinte, os três que atuaram em todos os 18 jogos do bicampeonato foram Leônidas, Valtencir e o zagueiro Zé Carlos. O goleiro Manga estava em litígio com o clube, mas dividiu os jogos com o gaúcho Cao.

Félix (Fluminense), Moreira, Brito (Vasco), Leônidas e Valtencir; Carlos Roberto e Gerson.  Agachados,  Nado  (Vasco), Roberto, Jairzinho e Paulo Cesar. Oito do Botafogo na seleção brasileira, dirigida por Zagallo, que goleou (4 x 1) a Argentina, em amistoso na noite de 7 de agosto de 1968, diante de 39.375 pagantes e com arbitragem de Armando Marques, no Maracanã. Gols: Valtencir e Roberto. No segundo tempo, Roberto e Jairzinho.

NASCEU A SELEFOGO – Antes do gol de Jairzinho, a Selefogo trocou exatos 52 passes, sem que os argentinos tocassem na bola. Os mais de 40 mil torcedores foram ao delírio e gritavam Olé! a cada toque na bola. A festa não parou nem mesmo quando o zagueiro Álfio Basile fez o gol solitário argentino no minuto final. Os jogadores acenaram na saída de campo, e nas arquibancadas e na geral continuava o delírio dos torcedores: Ah! É Selefogo!!!

LEÔNIDAS seria o zagueiro da seleção na Copa de 70, ao lado de Brito, mas se contundiu antes da viagem ao México, e Zagallo acabou improvisando Wilson Piazza, que era volante. Leônidas só fez três jogos com a camisa da seleção: 18/5/66 – 1 x 0 no País de Gales; 19/9/67 – 1 x 0 no Chile, e 7/8/68 – 4 x 1 na Argentina. Acompanhei toda a trajetória de Leônidas, desde o título de 1960 do América. Grande profissional, grande figura humana.

MUITO FORTE – A seleção argentina era dirigida por José Maria Minella – 1909 – 1981 -, ex-meia e um dos técnicos mais vitoriosos da história do River Plate, ganhando seis campeonatos, e sete como jogador. Foi o primeiro na Argentina a receber homenagem com um estádio com seu nome, em Mar del Plata, onde nasceu, uma das sedes da Copa do Mundo de 1978. Depois, Mario Kempes, campeão e artilheiro da Copa de 78, também foi homenageado.

ROBERTO PERFUMO – 1942 – 2016 -, tricampeão no Cruzeiro (72-73-74) e no River, e campeão da Libertadores e Mundial de clubes de 67. ÁLFIO BASILE, zagueiro campeão da Libertadores e Mundial de clubes de 67 pelo Racing, que dirigiu na Supercopa Libertadores 1988 e também campeão da Copa América 91 e 93 com a seleção.

SANTIAGO SOLARI, apoiador campeão da Liga dos Campeões com o Real Madrid em 2002.

CARLOS VEGLIO, atacante do primeiro título argentino invicto do San Lorenzo em 68 e bicampeão da Libertadores 77-78 com o Boca. ÓSCAR MALBERNAT, lateral-esquerdo tricampeão da Libertadores com o Estudiantes de La Plata, em 68-69-70. HECTOR YAZALDE – 1946 – 1997 -, artilheiro com 46 gols, campeão português e Chuteira de Ouro da temporada 73-74 com o Sporting de Lisboa, alguns dos destaques da seleção argentina goleada pela Selefogo.

Fotos: Museu da Pelada, Blog Botafogo Eterno, Marcelo Carnaval, Tarde de Pacaembu e Almanak do Batafogo.