Escolha uma Página

Real Madrid e Barcelona abrem março de 2020 renovando as emoções do maior clássico da Europa, que pode decidir amanhã (1), diante de 90 mil torcedores no estádio Santiago Bernabeu, em Madrid, o Campeonato Espanhol 2019-2020. O Barcelona tem 55 pontos, dois a mais que o Real Madrid, e se ampliar a vantagem para cinco pontos estará com o tricampeonato espanhol praticamente assegurado, mesmo faltando doze rodadas.

AS BANANAS – O meia paraense Giovanni, revelado na Tuna Luso, de Belém, foi destaque em 107 jogos do Barcelona, de 96 a 99, com 35 gols em 107 jogos. Ao marcar o gol de falta, da vitória (3 x 2) em 1998, ele correu na direção dos torcedores do Real Madrid e comemorou mandando bananas, em três batidas no braço direito. Bom lembrar: o Barcelona contratou Giovanni pelas atuações excepcionais no Santos, em 95-96.

CAPITÃO NEGRO – Revelado no Brasil de Pelotas, o zagueiro Aloísio foi medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 1988 em Seul, e contratado pelo Barcelona, por indicação de Cruyff, que o viu em amistoso com o Internacional, em Amsterdam, quando dirigia o Ajax. Na vitória (3 x 2) sobre o Racing Santander, em jogo da Copa do Rei, em 88-89, Cruyff deu-lhe a braçadeira, tornando-o o primeiro capitão negro da história do Barcelona. Hoje, aos 56 anos, Aloísio Pires Alves recorda que o artilheiro inglês Gary Lineker; o meia dinamarquês Laudrup, e o zagueiro holandês Ronald Koeman eram os nomes do time. O então zagueiro e volanteGuardiola ainda era da equipe B.

AS GARRAFAS – No campeonato de 1968, no estádio Santiago Bernabeu, os torcedores jogaram muitas garrafas em campo, depois do gol do Barcelona (1 x 0), protestando contra a não marcação de um pênalti em favor do Real Madrid. Desde então, mais de 50 anos depois, nunca mais houve venda de bebida em garrafa nos estádios de toda a Espanha. Ficou conhecido como El partido de las botellas (O jogo das garrafas).

AS MOEDAS – Um dos protestos mais fortes do clássico foi em 2000, na volta do meia português Luis Figo ao Camp Nou, após cinco anos no Barcelona. Ele aceitou 60 milhões do Real Madrid, e ao entrar em campo ouviu coros de judas, mercenário e pesetero (em alusão ao peso, moeda espanhola até 1999 quando foi criado o euro). Figo teve que levar as mãos aos ouvidos várias vezes. Foi figura apagada no jogo, que o Barcelona ganhou (2 x 0).

OS APLAUSOS – Um dos jogos inesquecíveis entre os arquirrivais foi o de 19/11/2005 em que o Barcelona ganhou (3 x 0), com dois gols notáveis de Ronaldinho Gaúcho, que deu assistência para Samuel Eto’o marcar o terceiro. Os torcedores voltaram a se levantar, no final, para aplaudir o atacante brasileiro. Em nenhum clube Ronaldinho fez tantos jogos e tantos gols quanto no Barcelona: 108 em 249 jogos, de 2003 a 2008. Hoje é embaixador do clube.

ROMÁRIO – Pouco antes de ser campeão do mundo, Romário levou os torcedores do Barcelona ao delírio em 1994 no Camp Nou, na goleada de 5 x 0. Ele desarticulou a defesa do Real Madrid e marcou três gols e deu duas assistências. O notável meia holandês Cruyff, um dos maiores da história, resumiu feliz: “Estou dirigindo o time dos sonhos”. Romário marcou 53 gols em 84 jogos, em 93-94 no Barcelona. É um dos notáveis da história do clube.

EVARISTO – Um dos notáveis da história do Flamengo, Evaristo Macedo, que em junho vai completar 87 anos, foi o único brasileiro que se tornou ídolo no Barcelona e no Real Madrid, convidado até hoje para os grandes eventos dos clubes. Evaristo foi bicampeão no Barcelona – 58-59 e 59-60 – e tricampeão no Real Madrid – 62-63, 63-64 e 64-65 -, formando um dos maiores ataques do mundo de todos os tempos: Canário, Evaristo, Di Stefano, Puskas e Gento.

MOURINHO x GUARDIOLA – O clássico de 2010 no Camp Nou era o do aniversário de 111 anos do Barcelona e o duelo entre os dois maiores técnicos da Europa, o português José Mourinho, comandando Cristiano Ronaldo, e o espanhol Guardiola, dirigindo Messi. 100 mil torcedores em delírio com 5 x 0 do Barcelona. Sem gol de Messi.

O MAIS PEGADO – Nenhum Barça x Real foi mais pegado que o de 2018 no Camp Nou. O Barça defendia invencibilidade de 35 jogos e o jogo (2 x 2) registrou: Piqué pegou firme Cristiano Ronaldo. Modric e Jordi Alba trocaram empurrões. Bale deu entrada dura em Iniesta. Suárez e Sergio Ramos trocaram ofensas. Sergi Roberto expulso após soco em Marcelo, e o capitão Messi fez uma falta duríssima no capitão Sergio Ramos. Um sufoco.

TRÊS BRASILEIROS – A menos que o técnico Enrique Setién mude de ideia, o volante Arthur será o único brasileiro do Barcelona no clássico de amanhã (1), enquanto o Real Madrid, que Zidane ainda não anunciou, deve ter o volante Casemiro e o atacante Vinícius Junior, que ganhou a posição com a contusão do belga Eden Hazard, que não joga mais no atual campeonato. Messi é o artilheiro com 18, e  Benzema, do Real, vice com 13 gols.

ÁRBITRO DE COPA – Amanhã, 1 de março, o valenciano Antonio Miguel Mateu Lahoz, de 42 anos, árbitro FIFA desde 2011, apitará às 9 da noite, em ponto, para Real Madrid e Barcelona iniciarem o jogo 244 de sua história, com mais de um bilhão de espectadores assistindo em todo o mundo. O Barça ganhou 96 e o Real, 95. Bom lembrar: o árbitro espanhol apitou Brasil 0 x 0 África do Sul, dia 4 de agosto, em Brasília, na abertura dos Jogos Olímpicos de 2016.

NOVO TERCEIRO – No único jogo de ontem (28), abrindo a rodada 26 das 38, o atacante belga Adnan Januzaj, de 25 anos, 1,86m, marcou o gol de cabeça do 1 x 0 da Real Sociedad no Valladolid, diante de 30.611 torcedores, no estádio Anoeta, em San Sebastián, bela cidade praiana do montanhoso País Basco espanhol. Com 43 pontos, a Real Sociedad tirou o Atlético de Madrid do terceiro lugar, pelo saldo de gols. O Atlético pode recuperar no jogo de amanhã (1) com o Espanyol, no estádio Cornellà-El Prat, em Barcelona.

Fotos: Nitro News Brasil, Trivela, UOL Esportes,  Mundo Deportes