Jorge Jesus, de 64 anos, completará 957 jogos como técnico, quando estrear no Flamengo. Em seu retrospecto de trinta anos, iniciado em 1989 no comando do Estrela da Amadora, ele dirigiu apenas dois times considerados de ponta: o Benfica e o Sporting, os mais importantes de Lisboa, embora antes tenha trabalhado no Belenenses, que é a terceira força da capital. Só ganhou três títulos de campeão nacional no Benfica, em 2009-10 e o bicampeonato em 2013-14 e 2014-15. Eis alguns de seus conceitos.

1 – Não há bom treinador sem bons jogadores, e não há uma boa equipe sem um bom treinador.

2 – O treinador é como o jogador: nasce, desenvolve e potencializa. A minha escola foi a prática, o treino. Aí é onde você se cria treinador, mas nem todos conseguem ser bom treinador.

3 – Para ser bom treinador é preciso ter criatividade, como há em outras atividades. Aqueles que copiam muito dos outros nunca vão ser treinadores top.

4 – É preciso estar sempre ligado em tudo o que se passa, mas é preciso também ser um criador. A evolução do futebol cobra muito do treinador e é preciso que ele esteja se reinventando.

5 – Não tenho medo nenhum de assumir que eu e minha equipe técnica criamos uma metodologia de treinos e a desenvolvemos. É o que vamos fazer no Flamengo, orgulhosos do convite para trabalhar em um dos clubes top do mundo.

RIGOROSO – Jorge Jesus se considera disciplinado e diz que não abre mão de ser disciplinador: “O treinamento é uma disciplina que precisa ser cumprida do início ao fim. Não se pode fazer um grande jogo sem que antes se tenha feito bom treino”.

LINHA DURA – Jorge Jesus é exigente e detalhista. Cobra e insiste para que os fundamentos do jogo sejam muito bem cumpridos: “Quanto mais se acerta um passe, menos se deixa que a bola saia do nosso controle”.

DISCIPLINA – Jorge Jesus entende que disciplina não é só a educação, o fino trato. O termo abrange muito mais: “Quem não tem disciplina técnica é incapaz de se desenvolver como peça-chave de um plano tático. Uma coisa está ligada à outra”.

JORGE JESUS gosta que suas equipes atuem com uma posse de bola agressiva. Para ele, a circulação rápida da bola é fundamental, sempre com muitos jogadores à frente da linha da bola e com uma defesa sempre bem sincronizada.

PRESSÃO – Perdeu a bola? Avança rápido, mata a jogada, não deixa o adversário escapar. Perdeu a bola? Faz pressão rápida para recuperar. Enquanto a bola estiver sob seu domínio, sua equipe não estará sendo ameaçada.

TOQUES CURTOS – Jorge Jesus gostam que seus times façam a transição defesa-meio-ataque sempre com toques curtos, projetando bem os laterais e utilizando os cinco mais ofensivos, em movimentação constante de apoio ao companheiro que estiver com a bola, e atacando os espaços em profundidade.

HISTÓRICO DO TÉCNICO Jorge Fernando Pinheiro de Jesus é de 24 de julho de 1954. Nasceu em Amadora, um dos menores municípios de Portugal, ao norte da área metropolitana de Lisboa. Foi jogador de meio-campo, de 72 a 88, sem atuar em equipe de projeção.

Iniciou-se técnico em 89 e trabalhou até 93 no Amora FC, do concelho de Seixal, no distrito de Setúbal, sub-região da área metropolitana de Lisboa, que ficou conhecida por ser a terra natal do poeta Bocage (1765-1805).

O último clube português do novo técnico do Flamengo foi o Sporting de Lisboa, que dirigiu em seu único título, a Taça da Liga de Portugal de 2017-18.

Jorge Jesus perdeu o mercado de trabalho em seu país.Jorge Jesus não tem um temperamento de convivência fácil. Uma das coisas de que não gosta é intromissão em sua atividade. Esta teria sido a causa da saída do Al-Hilal, da Arábia Saudita, seu último clube, em janeiro de 2019.

O novo técnico do Flamengo, que está por anunciar a data da apresentação, viu a vitória do Liverpool na final da Champions, ao lado do presidente do clube. Dos 956 jogos que dirigiu, suas equipes ganharam 536, perderam 221 e empataram 199, com 1.610 gols marcados e 890 gols sofridos.

A edição de A BOLA, principal jornal esportivo português, destaca neste domingo (2), sem citar nomes, que cronistas brasileiros debocharam da contratação: “O Flamengo espera o que de um técnico que só ganhou três títulos na porcaria do Campeonato Português”?

UMA NOVIDADE – Junho começou com uma novidade em Portugal. Depois de 105 anos, o União, da Ilha da Madeira, fundado em 1 de novembro de 1913, elegeu ontem (1) a primeira presidente de sua história: Tania Sofia Silva, que comandará o clube até 2021. Ela é diretora do Departamento de História e de Estudos de Política Internacional da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. O Clube de Futebol União é da cidade do Funchal, capital da Ilha da Madeira, a principal do arquipélago, no Oceano Atlântico.

Foto: Record