Escolha uma Página

NÃO HOUVE 0 x 0 na retomada do Campeonato Brasileiro, em que 23 gols foram registrados, em seis vitórias dos visitantes, entre eles o Flamengo (o mando de campo foi do Vasco), que subiu de 3º para líder, impulsionado pelo 6 x 1, que lhe deu vantagem no saldo, e o Botafogo, que terminou em terceiro.

O FLAMENGO está igual ao vice-líder Bahia, em pontos (14), vitórias (4), empates (2) e derrota (1), mas é líder pelo saldo de 4 gols (7 a 3): marcou 13 – ataque mais positivo, igual ao do Botafogo -, e sofreu 6; o Bahia fez 10 e sofreu 7. Na contramão, o lanterna Cuiabá é o único que ainda não fez gol em cinco rodadas.

O SÃO PAULO entrou pela primeira vez no G4, ao vencer o Cruzeiro (2 x 0, gols de Lucas Moura e Calleri), com 13 pontos, ultrapassando o Athletico Paranaense, que perdeu do Fortaleza (1 x 0) e caiu para 5º por um gol, mesma diferença que o deixa em 4º, a uma posição do Botafogo.

O FLUMINENSE saiu do rebaixamento, saindo de 17º para 15º, após outra atuação decepcionante no 1 x 1 com Juventude, e beneficiado pela derrota do Corinthians e pela perda da invencibilidade do Criciúma, nos acréscimos do jogo em casa com o Palmeiras (2 x 1), que subiu de 9º para 7º, ainda com recuperação tímida.

APÓS SETE RODADAS, o Brasileiro está, como se costuma dizer, embolado. Do 1º ao 11º, a diferença não vai além de 4 pontos: Flamengo e Bahia com 14; Botafogo, São Paulo e Athletico Paranaense com 13; Bragantino, 12; Palmeiras, 11; Internacional, Cruzeiro, Atlético Mineiro e Fortaleza, 10.

  • A SÉTIMA RODADA registrou 23 gols, mas a média do Brasileiro de 2024 se manteve em 2.34 gols por jogo, com 145 gols em 62 jogos. O artilheiro Vegetti, com 4, é seguido bem perto por Danilo (Botafogo), Pedro (Flamengo), Luciano (São Paulo), Everaldo (Bahia) e Vargas (Atlético Mineiro), 3 gols.
  • DOIS GOLS de fora da área, ambos de pé esquerdo e no ângulo, foram os mais bonitos da 7ª rodada, o de Hulk, de falta, e o Ademir, do Bahia, no 1 x 1 deste primeiro domingo (2) de junho, na Arena MRV, em Belo Horizonte.
  • NA 1ª VITÓRIA EM CASA, 1 x 0 no Athletico Paranaense, o Fortaleza poupou o gramado da Arena Castelão para o primeiro jogo da decisão da Copa do Nordeste, 4ª feira (5), e reativou o antigo estádio Presidente Vargas. O goleiro Bento, de 1,89m, foi criticado por sofrer de cabeça o gol do zagueiro chileno Kuscevic, cinco centímetros mais baixo do que ele.
  • ALVARO PACHECO foi o segundo técnico português do Vasco a perder na estreia, depois de Ricardo Sá Pinto (2 x 1 para o Corinthians, em 21/10/2020, em São Januário). O outro estrangeiro que também perdeu na estreia foi o argentino Ramon Diaz (2 x 0 para o Athletico Paranaense, em 23/7/2023, em Curitiba).
  • VASCO 1 x 6 FLAMENGO teve um time de estrangeiros: seis do Flamengo – Rossi, Varela, Viña, Erick Pulgar, De La Cruz e Arrascaeta -, cinco do Vasco: Puma, Juan Sforza, Galdames, Payet e Vegetti.
  • PELA PRIMEIRA VEZ, além dos capitães Leo (Vasco) e Gerson, também os técnicos, Tite e Alvaro Pacheco, posaram com o árbitro Braulio Machado e os assistentes Bruno Pires e Guilherme Camilo.

Fotos: Rubens Chiri e Paulo Pinto, Saopaulofc.net e Gazeta Esportiva