Ederson, do Manchester City, foi o segundo goleiro brasileiro expulso no Campeonato Inglês 2019-20, em menos de um mês e, por coincidência, pelo mesmo árbitro, Martin Atkinson, que dia 1 de dezembro expulsou Alisson, do Liverpool. Ederson foi expulso na noite de ontem (27), logo aos 12 minutos, contribuindo muito para a virada (3 x 2) do Wolverhampton.

FORA DA ÁREA – O jogo estava 0 x 0 quando Ederson saiu da grande área e derrubou o meia português Diego Jota, com falta grosseira, que lhe valeu o primeiro cartão do jogo,  vermelho direto, aplicado aos 12 minutos pelo árbitro Martin Atkinson, de 48 anos, que apita na Premier League desde 2005. Não houve, nem do próprio Ederson, uma única reclamação.

RELEMBRANDO – O mesmo árbitro, dia 1 de dezembro, expulsou Alisson, goleiro do Liverpool, aos 31 do segundo tempo, por fazer uma defesa com as mãos fora da área, ao cortar um cruzamento do meia Kunt, do Brighton. Foi o único cartão do jogo, em que o árbitro Martin Atikinson marcou 13 faltas, sem aplicar sequer um cartão amarelo. O Liverpool venceu (2 x 1) com dois gols de cabeça do zagueiro holandês Virgil van Dijk.

MUDOU TUDO – Com a expulsão de Ederson, o técnico Guardiola teve que tirar o atacante argentino Sergio Aguero, que estava de volta, recuperado de contusão, para colocar o goleiro chileno Claudio Bravo. Mesmo com menos um, o City fez 1 x 0, gol do jamaicano naturalizado inglês Raheem Sterling, aos 25, e aos 5 do segundo tempo ele ampliou: 2 x 0.

COM A VITÓRIA, o City assumiria a vice-liderança, mas o Wolverthampton reagiu e subiu para o quinto lugar, com os gols do espanhol Adama Traoré, aos 10; do mexicano Raul Jimenez, aos 37, e do zagueiro irlandês Matt Dohert, aos 44. Detalhe: Adama Traoré, de 23 anos, é, ao lado do francês Mbappé, do PSG, tido como o mais veloz do mundo.

120 ANOS – Wolverhampton é a décima quarta maior cidade da Inglaterra e recebia o último jogo de 2019 no estádio Molineux, inaugurado há 120 anos, em 1 de setembro de 1899. Os 31.700 torcedores foram ao delírio com a sétima vitória do time no atual campeonato, que o fez subir para o quinto lugar com 30 pontos.

CAMPEÕES DO MUNDO – Na última rodada de 2019, o Wolverhampton será visitante amanhã (29), no jogo com o Liverpool, que usará pela primeira vez na camisa o escudo do  Mundial, ganho há uma semana na vitória sobre o Flamengo. O escudo tem 78 milímetros de comprimento por 57 milímetros de largura, com a foto da taça e a inscrição Campeão do Mundo. Os 55 mil lugares do estádio Anfield Road, em Liverpool, estarão ocupados.

LÍDER E ÚNICO INVICTO, o Liverpool tem 52 pontos, após os 4 x 0 sobre o vice-lider Leicester, com 39. O Manchester City, terceiro, tem 38 pontos, e é bom dizer: o Liverpool tem menos um jogo que os outros, que disputaram 19. Por causa do Mundial de clubes, o jogo do Liverpool com o West Ham foi adiado.

RAPIDEZ DO VAR – O pênalti que Sterling converteu no primeiro gol do jogo foi repetido após a defesa do (excelente) goleiro Rui Patrício, titular da seleção de Portugal, devido à invasão da área. Na segunda cobrança, Rui Patrício defendeu e Sterling marcou no rebote. Impressionante a rapidez do VAR, sem o árbitro ter que fazer a consulta.

CONFIANÇA – Com a mesma rapidez, o técnico espanhol Josep Guardiola, do City, determinou que o cobrador do pênalti fosse trocado. No entanto, Sterling não cumpriu a determinação e mostrou confiança e personalidade. Mesmo não convertendo de primeira, aproveitou a rebatida do goleiro para marcar. Guardiola o cumprimentou no intervalo.

Foto: Clive Mason/Getty Images