Três dias depois de levar a virada do Flamengo e de perder a Supercopa do Brasil nos pênaltis, o Palmeiras, campeão da Libertadores, levou a virada (2 x 1) do Defensa y Justicia, campeão da Copa Sul-Americana, e perdeu a Recopa Sul-Americana na noite de ontem (14), no mesmo palco da decisão de domingo (11), o estádio Mané Garrincha, em Brasília. O Palmeiras fez 1 x 0, gol de pênalti de Raphael Veiga, aos 22 minutos, mas Braian Romero empatou com chute forte, rasteiro e colocado aos 30.

A VIRADA – O Palmeiras seria campeão com o empate, mas logo no início do segundo tempo ficou com 10, devido à expulsão do lateral-esquerdo uruguaio Matias Viña, que deu um chute no zagueiro Adonis Frias, que o agarrou. O Defensa y Justicia fez o gol da virada aos 48 minutos, com chute forte do lateral-esquerdo argentino Marcelo Benitez, de 23 anos, da entrada da área, levando o jogo à prorrogação de trinta minutos porque o Palmeiras havia vencido pelo mesmo placar (2 x 1) na Argentina.

TENSÃO – O clima ficou ainda mais tenso no tempo extra, e logo no início da prorrogação, o atacante argentino Braian Romero, de 29 anos, emprestado pelo Independiente, de Buenos Aires, foi expulso, após confusão nos bancos de reservas. O Palmeiras teve a chance do título e não aproveitou: o zagueiro paraguaio Gustavo Gomez bateu mal o pênalti e o goleiro Ezequiel Unsain, que derrubou Felipe Melo, fez a defesa, levando a decisão à cobrança dos tiros livres da marca do pênalti.

FINAL 4 x 3 – Com a vitória do Defensa y Justicia mantida na prorrogação (2 x 1), o título foi decidido nos pênaltis e o time argentino teve 100% de aproveitamento nas cobranças, ganhando por 4 x 3. Adonis Frias,Merentiel, Isnaldo e Enzo Fernandez converteram, e os pênaltis do Palmeiras foram convertidos por Gabriel Menino, Gustavo Gomez e Rony. As cobranças de Luiz Adriano e do goleiro Weverton foram na trave e no travessão. O árbitro uruguaio Leodan Gonzalez teve boa atuação.

BOM DIZER – É a segunda vez que o Defensa y Justicia ganha jogo decisivo com adversário brasileiro, no Brasil. A primeira, na noite da quinta, 11 de maio de 2017, quando eliminou o São Paulo da Copa Sul-Americana, ao empatar (1 x 1) no Morumbi, em seu primeiro jogo fora da Argentina, depois de 0 x 0 em casa. O técnico era o mesmo de 2021, o ex-lateral Sebastian Beccacece,  e o técnico do São Paulo era Rogerio Ceni, que vinha de eliminações na Copa do Brasil e no Campeonato Paulista.

SEGUNDO TÍTULO – A Recopa Sul-Americana, que ganhou na noite de ontem (14), é o segundo título em 86 anos do Defensa y Justicia, fundado em 20 de março de 1935. O primeiro foi a Copa Sul-Americana 2020, dirigido pelo ex-atacante Hernan Crespo, maior artilheiro do Parma, com 80 gols em 151 jogos, entre 96 e 2000, hoje técnico do São Paulo. No atual campeonato, com 13 times em cada grupo, o Defensa y Justicia é oitavo do Grupo B, a sete pontos do líder Velez Sarsfield, adversário de estreia do Flamengo na Libertadores, na próxima terça (20), em Buenos Aires.

SETE MILHÕES – O Defensa y Justicia ganhará 1.700 mil dólares (R$7 milhões), e o Palmeiras, 750 mil dólares (R$4.300 mil). O Palmeiras fará dois jogos pelo Campeonato Paulista, antes de estrear na Libertadores, quarta (21), em Lima, com o Universitário do Peru: amanhã (16), no Allianz Parque, com o São Paulo, e domingo, no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, com o Botafogo. O técnico português Abel Ferreira receia que o desgaste físico prejudique a estreia na Libertadores.

Foto: TNT Sports