Oswaldo de Oliveira recebendo Deni Menezes e Marcelo Santos em sua casa na Barra

TÉCNICO DO CORINTHIANS, CAMPEÃO DO 1º MUNDIAL DE CLUBES promovido pela FIFA, em janeiro de 2000 no Brasil, o carioca Oswaldo de Oliveira comemora aniversário neste domingo (5), cercado do carinho da família e dos amigos, em sua confortável e belíssima casa, com decoração de alto nível e bom gosto, na área nobre da Barra, Zona Oeste do Rio. Profissional de fino trato, Oswaldo sabe receber e falar de futebol, que conhece como poucos.

LIBERTADORES – Oswaldo de Oliveira assistiu in loco a final Palmeiras 1 x 0 Flamengo, dois dias após o lançamento do livro de que participou, em Montevidéu, junto com outros nove técnicos sul-americanos de gabarito, a convite da Conmebol. No livro, eles fizeram, com riqueza de dados técnicos, a análise da Copa América de 2021, que a Argentina ganhou com 1 x 0 no Brasil, na noite do sábado, 10 de julho, no Maracanã.

“O FLAMENGO NÃO TEVE predominância de ataque nem de defesa, e o Palmeiras ganhou o meio-campo, de onde saiu sempre com mais força e velocidade para o ataque, como no lance que decidiu o jogo. Quando o Palmeiras tinha a bola, os jogadores do Flamengo não tinham agressividade para atacá-los. O Flamengo aceitou o assédio do Palmeiras, com falhas principalmente do David Luiz e do Filipe Luis, perdendo bolas altas para jogadores mais baixos, como Dudu e Rony. Não vi Gabriel e Bruno Henrique pressionarem as saídas de bola do Palmeiras”.

BRASILEIRO – Quando perguntei sobre o Atlético Mineiro, campeão brasileiro, Oswaldo de Oliveira disse e repetiu: “Legal, legal. Merecido, muito merecido. O Atlético fez a diferença com a qualidade exuberante do seu elenco, com jogadores de alto nível em todas as posições. Acompanhei os jogos e parabenizo o Atlético pela campanha. Flamengo e Palmeiras se afastaram da disputa, pensando mais na Libertadores, e o Atlético soube aproveitar muito bem”.

COPA DO MUNDO – Quando perguntei se o Brasil volta a ser campeão ou completa cinco Copas sem Copa, Oswaldo foi direto: “Pode até ser, mas será difícil e vai precisar melhorar muito. A Eurocopa do meio do ano mostrou seleções muito mais bem preparadas”. Oswaldo conhece bem o Catar: dirigiu Al-Ahli em 2005 e Al-Arabi em 2017, e não tem dúvida: “O Catar fará uma Copa sem falha e com brilho”.

MUNDIAL DE 2000 – Vinte e um anos depois de ter dirigido o Corinthians, campeão do 1º Mundial da FIFA, Oswaldo de Oliveira diz que a lembrança é permanente: “Foi um campeonato bem organizado, de elevado nível técnico e bem equilibrado, tanto que Corinthians e Vasco decidiram nos pênaltis”. Os campeões: Dida, Índio, Adilson, Fabio Luciano e Kleber; Rincon (c), Vampeta (Gilmar), Marcelinho Carioca e Ricardinho (Edu); Edilson (Fernando Baiano) e Luizão.

OSWALDO DE OLIVEIRA ficou feliz com a volta do Botafogo, que dirigiu no título carioca de 2015, à Série A em 2022: “É um clube de tradição, de história, com uma contribuição inestimável nas três primeiras Copas que o Brasil ganhou, e tive a alegria de comandar o time campeão de 2015”. E lamentou a permanência do Vasco na Série B: “Só mesmo quem vive o ambiente do clube diariamente é que pode fazer uma análise. Os problemas não são poucos”.

-O QUE MAIS AUMENTA TORCIDA: ÍDOLO OU TÍTULO?
-Hoje o título é muito mais importante porque o ídolo é nômade.
-O DESTRO OU O CANHOTO?
– Embora o canhoto pareça melhor, prefiro o ambidestro.
-O FUTEBOL ESTÁ SUJEITO A NOVOS SISTEMAS DE JOGO?
-Os jogadores são mais importantes que o sistema de jogo. Conhecemos grandes equipes usando sistemas variados, mas não conhecemos grandes equipes sem grandes jogadores. O que decide mesmo é a qualidade do jogador.
-O QUE MUDA NA ORIENTAÇÃO QUANDO O TIME ESTÁ GANHANDO OU PERDENDO/
– Eu sempre peço calma e digo aos jogadores e analiso os detalhes do jogo, do adversário e do que vamos precisar para mudar o resultado. Se estamos perdendo, sempre recorro à muita motivação para mudar a atmosfera e passar otimismo. 
– A BOLA BATE NA TRAVE E ENTRA, OU SAI. SORTE? AZAR?
-Eficiência e sorte são antagonistas, cada uma tem sua importância. A eficiência é fruto do trabalho e a sorte depende do momento.
-GARRINCHA, DIDI, QUARENTINHA, AMARILDO E ZAGALO. DORVAL, MENGÁLVIO, COUTINHO, PELÉ E PEPE. QUAL DESSES ATAQUES VOCÊ GOSTARIA DE TER DIRIGIDO?
-O ideal seria que fosse um em cada tempos (risos)…
– PELÉ OU GARRINCHA?
-O Garrincha foi bom, mas o Pelé foi melhor.