O Flamengo não aproveitou a chance de ouro, no Maracanã, e diante do penúltimo colocado, para assumir pela primeira vez a liderança do Campeonato Brasileiro de 2020, depois de 16 rodadas, ao só conseguir empatar com o Bragantino, na noite de ontem (15). Depois de um primeiro tempo muito ruim, o jogo melhorou um pouco quando os times voltaram do intervalo, e o meia Claudinho fez o gol do Bragantino logo no primeiro minuto, e Lincoln empatou de cabeça aos 25.

DESVANTAGEM – A vitória teria levado o Flamengo à liderança com dois pontos de vantagem, mas o empate deixou o Flamengo em desvantagem, tanto quanto ao líder Atlético Mineiro, quanto ao vice-líder Internacional, iguais em pontos (31). O Atlético, mesmo com menos um jogo, em casa com o Athletico Paranaense, tem mais uma vitória (10 a 9) que o Flamengo, com menos saldo de gols que o Internacional (7 a 13). 

BOM LEMBRAR -O São Paulo, quarto colocado, com 26 pontos, tem menos dois jogos que Internacional e Flamengo, e ficará só a dois pontos, se vencer o Ceará, na noite de hoje (16), quando a décima sexta rodada será concluída. O jogo atrasado do São Paulo será como visitante com o Goiás. O Flamengo não ter confirmado o amplo favoritismo, ao apenas empatar (1 x 1) com o Bragantino, deixou os técnicos argentinos Jorge Sampaoli, do Atlético, e Eduardo Coudet, do Internacional, aliviados.

OITO VEZES 1 x 1 – Por coincidência, todos os empates – 3 do Flamengo, 5 do Bragantino – foram em 1 x 1. Os dois primeiros do Flamengo com Grêmio e Botafogo, e os quatro anterioes do do Bragantino com Santos, Athletico Paranaense, São Paulo e Vasco. No Maracanã, o Flamengo só perdeu na estreia, 1 x 0 para o Atlético Mineiro, e ganhou (2 x 1) do Fortaleza e Goiás; 3 x 1 do Athletico Paranaense e 3 x 0 do Sport. O Bragantino perdeu todos os outros quatro jogos como visitante.

FLAMENGO – Hugo, Isla, Thuler, Leo Pereira e Renê; Arão (Bruno Henrique, 22 do segundo tempo), Tiago Maia, Diego e Everton Ribeiro (Gerson, 43 do segundo tempo); Lincoln e Pedro (Vitinho, intervalo). Técnico – Domènec Torrent. O Flamengo, terceiro com 31 pontos em 16 jogos – 9 vitórias, 4 empates, 3 derrotas, saldo de 7 gols (25 a 18) – jogará domingo (18), na Arena Corinthians, e na próxima quarta (24), voltará ao Maracanã para o último jogo da fase de grupos da Libertadores com o Junior.

BRAGANTINO – Cleiton, Aderlan, Realpe (Leo Ortiz), Ligger e Weverson; Ryller, Raul e Claudinho (Hurtado); Leandrinho (Morato e depois Cuello), Ytalo e Bruno (Edimar). Técnico – Maurício Barbieri. O Bragantino é o penúltimo colocado com 13 pontos em 16 jogos  2 vitórias, 7 empates, 7 derrotas, saldo negativo de 7 gols (17 a 24) – e fará o próximo jogo com o Sport, domingo (18), no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, a 88 km da capital.

QUATRO CARTÕES – Arbitragem segura e tranquila de Daniel Bins, de 42 anos, da Federação Gaúcha. Ele só usou o cartão amarelo para quatro advertências, as de Weverton, aos 35, por falta dura em Isla; Lincoln, por reclamação, aos 41, e no segundo tempo, o técnico Maurício Barbieri, aos 5, e Arão, aos 22, também por reclamação.

EMOCIONADO – Assistente do técnico Maurício Barbieri, que dirigiu o Flamengo em 39 jogos, em 2018, o ex-meia chileno Claudio Maldonado, de 40 anos, ficou emocionado ao voltar ao Maracanã 11 anos depois de ter sido campeão brasileiro pelo Flamengo em 2009, ano em que ganhou também o título carioca. Ele fez 89 jogos e só 1 gol, o da vitória do Flamengo sobre o Atlético, no Mineirão, no Brasileiro de 2010. Maldonado, meia muito técnico, também foi campeão no São Paulo, Cruzeiro e Santos.

Foto: FlaHoje