O dérbi Sevilha x Betis, maior clássico da Andaluzia,que marca a reabertura de La Liga, hoje (11), no estádio Ramon Sanchez Pizjuan, tem muito a ver com o carioca Carlos Alberto Pintinho, que de 72 a 79 fez 348 jogos e marcou 23 gols pelo Fluminense, a Máquina do bicampeonato 75-76. Pintinho vive há 38 anos em Sevilha, onde constituiu uma bela família e é um dos nomes da história do Sevilha FC, que defendeu entre 80 e 84, em 348 jogos em que marcou 23 gols.

MUITA TENSÃO – Mantenho contato frequente com Pintinho e ele me contou sobre o dérbi: Sevilha x Betis é sempre com muito nervosismo, tensão. Ganhar o dérbi tem até mais valor do que ser campeão. Disputei vários e sei o que representa para jogadores, técnicos e principalmente para os torcedores, muito loucos e apaixonados”. Pintinho me fala sobre os números: “É o dérbi 184. Ganhamos (Sevilha) 87 e só perdemos 53, com 43 empates. Marcamos (Sevilha) 326 gols e sofremos 222. Lideramos”.

APAIXONADO – A duas semanas de completar 65 anos, o canceriano de 25 de junho, é apaixonado pela família – a esposa Alícia e os filhos Pablo (32) e Carlos (18) – e por Sevilha, capital da Andaluzia, região de colinas, rios e campos agrícolas da bela costa Sul espanhola. Sevilha que atrai turistas pela fama e beleza da dança flamenca, especialmente em Triana, um dos bairros agradáveis da cidade, e pela bela Catedral, em estilo gótico, onde está o túmulo do navegador genovês Cristóvão Colombo.

SEVILHA FC é um clube de 130 anos – 25/1/1890 -, em 74 temporadas na elite do futebol espanhol, campeão em 1945-46, cinco vezes vencedor da Copa da Espanha e cinco vezes ganhador da Copa da Uefa. Em seu estádio, Pintinho viu e vibrou com os gols de Sócrates e Eder, na virada (2 x 1) sobre a Rússia, na estreia da Copa de 82, e depois, na semifinal, a Alemanha eliminar a França nos pênaltis. Remodelado, o Ramon Sanchez Pizjuan tem hoje capacidade para 42.714 espectadores.

O REAL BETIS BALOMPIÉ é um clube de 112 anos – 12/9/1907 -, campeão em 1934-35, e em seu Benito Villamarin, estádio de 52 mil lugares, o Brasil fechou a fase de grupos da Copa de 82 com duas goleadas: 4 x 1 na Escócia e 4 x 0 na Nova Zelândia. Bom lembrar: a história do dérbi começou em 8 de fevereiro de 2015: Sevilha 4 x 3 Betis. A Copa Andaluzia foi disputada pela primeira vez em 1916, com o Sevilha 17 vezes campeão e o Betis apenas uma vez.

Pintinho, o caçula Carlos, a esposa Alícia e o filho mais velho Pablo
A família de Pintinho curtindo a noite em Sevilha
Pintinho recebeu homenagem dos amigos pelo tempo em Sevilha

BOA VANTAGEM – Próximo do líder Barcelona (58 pontos) e do vice-líder Real Madrid (56), o Sevilha, do coração do Pintinho, é terceiro com 47 pontos – 13 vitórias, 8 empates, 6 derrotas, saldo de 10 gols (39 x 29), com boa vantagem sobre o rival Betis, décimo segundo com 33 pontos – 8 vitórias, 9 empates, 10 derrotas – e saldo negativo de cinco gols (38 x 43). Os times têm técnicos espanhóis: Julen Lopetegui, do Sevilha, ex-goleiro, 53 anos. Joan Ferrer, o Rubi, do Betis, ex-atacante, 50 anos.

BOM ÁRBITRO – Prova da importância do dérbi: Sevilha x Betis terá arbitragem de Antonio Mateo Lahoz, 43 anos, natural de Valencia, FIFA desde 2011. Professor de Educação Fisica, Lahoz apitou vários jogos da Champions League e o vi com grande atuação na abertura dos Jogos Olímpicos 2016, no 0 x 0 de Brasil x África do Sul, 4 de agosto, em Brasília. Depois do dérbi, novo contato com Pintinho, que me contará todas as novidades. Pelo calor na Europa, o jogo será às 10 noite (hora da Espanha).

Fotos: acervo pessoal de Carlos Alberto Pintinho, Museu da Pelada, Tarde de Pacaembu, Pinterest.ru,