Com o 1 x 1 no estádio Atleti Azzurri d’Itália, na cidade de Bergamo, Itália e Holanda perderam a liderança do Grupo 1 da Liga das Nações para a Polônia, que venceu (3 x 0) a Bósnia e Hezergovina, no outro jogo da noite desta quarta (14), com dois gols de Robert Lewandowski, que deu assistência para Karol Linetty marcar o terceiro, no estádio da cidade polonesa de Breslavia, a 348 km da capital Varsóvia. 1.500 torcedores puderam assistir, mantendo distanciamento de 10 metros.

SEM CONVENCER – Três dias depois de terem ficado no 0 x 0, a Itália com a Polônia e a Holanda com a Bósnia, as duas seleções voltaram a ser pouco criativas e o 1 x 1 no estádio de Bergamo se ajustou bem ao que produziram em um jogo de pouca técnica e raras chances de gol. O atacante romano Lorenzo Pellegrini, de 24 anos, que joga na Roma, abriu o placar aos 17, após o bom lançamento do meia Nicolò Barella, e o meia Donny van de Beek, de 23 anos, do Ajax, empatou aos 26, com chute no ângulo.

ITÁLIA INVICTA – A seleção italiana completou 19 jogos sem perder, com 14 vitórias e 5 empates, e também se mantém invicta nos jogos, em casa, com a Holanda, com o quarto empate depois de seis vitórias. A invencibilidade do técnico Roberto Mancini, maior artilheiro da história da Sampdoria, com 173 gols, passou a ser de 12 jogos, com seis vitórias. A última derrota da seleção sob o comando dele foi em setembro de 2018, 1 x 0 para Portugal, na Liga das Nações. O técnico recordista é Marcello Lippi, em 17 jogos, seguido de Edmondo Fabbri  1921 – 1995 , em 14 jogos.

NÃO BRILHOU – A expectativa de que a seleção italiana pudesse apresentar mais rendimento ofensivo estava na volta de Ciro Immobile, mas o artilheiro da temporada 2019-2020, ganhador da Chuteira de Ouro pela primeira vez, não brilhou no 1 x 1 com a Holanda. Única invicta do Grupo 1, a Itália está um ponto atrás da Polônia, com 7, e só 1 ponto à frente da Holanda, com 5. Os italianos são vice-líderes por 1 gol de saldo: marcaram 3 e sofreram 2, e a Holanda está zerada, com 2 gols a favor e 2 contra.

Foto: Kacper Pempel/Reuters