Escolha uma Página

Serão 25 os jogos deste último fim de semana de março pela segunda rodada das eliminatórias europeias para a Copa do Mundo de 2022, e dos 10 jogos de hoje (27), Sérvia x Portugal é o mais importante porque  pode decidir a liderança do Grupo A, após estrearem com vitória. O jogo será no estádio Rajko Mitic, que os então iugoslavos, hoje sérvios, apaixonados pelo futebol brasileiro, passaram a chamar de Maracanã, inaugurado em 1 de setembro de 1953, em Belgrado, capital do país, no Sudeste da Europa.  

EXPECTATIVA – Com os jogos da França, atual campeã, e da Itália, Alemanha, Inglaterra e Espanha, só amanhã (28), Sérvia e Portugal, e República Tcheca x Bélgica, outro bom jogo de hoje (27), em Praga, atraem a expectativa. Fernando Santos, lisboeta de 66 anos, técnico de Portugal, espera mais da seleção, que não estreou bem, e só venceu (1 x 0) com um gol contra do Azerbaijão. A Sérvia volta a jogar em Belgrado, onde levou susto da Irlanda do Norte, mas conseguiu vencer de virada (3 x 2).

JOÃO FÉLIX – Nascido em Viseu e tratado como garoto de ouro do futebol português, João Félix, de 21 anos, 1,81m, destro, brilha no Atlético de Madrid, líder do Campeonato Espanhol, comprado do Benfica por 126 milhões de euros, em julho de 2019. Reserva na estreia, ele inicia hoje (27), ao lado do capitão Cristiano Ronaldo e de Pedro Neto, também de 21 anos, que joga no inglês Wolverhampton. A seleção portuguesa está avaliada em 800 milhões de euros (R$5.330 milhões).

NUNCA PERDEU – O jogo deste sábado (27), em Belgrado, será o sétimo entre Sérvia e Portugal, que pela primeira vez se enfrentarão em eliminatórias para a Copa do Mundo. Todos os seis jogos que disputaram foram pela Copa da Europa de seleções, e Portugal nunca perdeu: em Portugal, uma vitória e dois empates, e na Sérvia, duas vitórias e um empate, com 11 gols de Portugal e 7 gols da Sérvia, sempre com placares apertados e sem que tenha havido 0 x 0.

O ESTÁDIO – Inaugurado em 1 de setembro de 1953, o estádio ganhou o nome de Rajko Mitic em 2008, ano em que o atacante do Estrela Vermelha, time mais popular do país, morreu aos 76 anos. Todos os outros grandes jogadores do clube eram tratados como notáveis, só ele tinha o tratamento de lenda. Com 572 jogos, 262 gols e oito vezes campeão, com destaque para a Liga dos Campeões da Europa e o Mundial de clubes de 1991, ele ganhou o prêmio especial Estrelas do Estrela.

COPA DE 1950 – Mitic foi o único da história das 21 Copas do Mundo, de 1930 a 2018, a fazer uma seleção iniciar com 10. Ao subir as escadas do túnel do Maracanã, para o jogo com o Brasil, na tarde ensolarada do sábado, 1 de julho de 1950, ele bateu com a cabeça na tampa de ferro, sangrou muito, foi levado às pressas para o vestiário, onde recebeu nove pontos. Só entrou no jogo aos 11 minutos, quando a então Iugoslávia já perdia por 1 x 0, gol de Ademir Marques de Menezes logo aos três minutos.

O GIGANTE – No primeiro jogo de Copa do Mundo em Belo Horizonte, na época com 320 mil habitantes, Mitic fez o primeiro dos 3 x 0 da Iugoslávia sobre a Suíça, aos 14 do segundo tempo, de fora da área, com sua canhota forte e certeira, no domingo, 25 de junho de 1950, com 7.336 pagantes no estádio Independência, tratado pelos mineiros como Gigante do Horto. Três dias depois, a Iugoslávia goleou (4 x 1) o México, no estádio dos Eucaliptos, em Porto Alegre, e após três dias estava no Maracanã para o jogo com o Brasil. Mitic viu as viagens longas, e em tempo curto, como “armação” para desgastar os iugoslavos.

COPA DE 1954 – No segundo jogo com a seleção brasileira, na Copa de 1954, no estádio de La Pontaise, em Lausanne, na Suíça, Mitic quase apanhou dos jogadores, Didi, Baltazar e Pinga, entre outros, que não entendiam seus sinais de que o empate classificaria os dois, pensando que ele estava fazendo provocações. A Iugoslávia fez 1 x 0 no início do segundo tempo, e o Brasil, com gol de Didi, empatou pouco depois, e continuou correndo muito. No final, com a ajuda do intérprete, Mitic foi abraçado.

SÃO ALGUMAS das historinhas do futebol. Rajko Mitic, o Maracanã de Belgrado, em que Sérvia e Portugal jogam hoje (27), é homenagem ao maior jogador iugoslavo de todos os tempos, duas vezes medalha de prata nos Jogos Olímpicos – 1948 em Londres, 1952 em Helsinque -, que defendeu a seleção entre 1946 e 1957, com 32 gols em 59 jogos, e foi técnico de 1966 a 1970. Bom dizer: a Iugoslávia foi um país de 1929 a 2003, quando se dividiu entre várias Repúblicas, uma delas a Sérvia, hoje um dos países com mais elevado índice de Desenvolvimento Humano do mundo.

Foto: Sportbuzz | Moja Crvena Zvezda