Depois de perder na estreia por 2 x 0 para o Operário, em São Januário, e de empatar 1 x 1 com a Ponte Preta, em Campinas, o Vasco ressurgiu como o time da virada, com dois gols em três minutos, ao vencer ontem (12) o Brasil, no  estádio Bento Freitas, em Pelotas, no Sul gaúcho. O Gigante da Colina deu um grande salto de qualidade, subindo oito posições e terminando a terceira rodada do Campeonato Brasileiro da Série B em décimo lugar com quatro pontos.

USOU A CABEÇA – Na volta do intervalo, perdendo e precisando reagir, o Vasco usou a cabeça na virada, com o primeiro gol do carioca Daniel Amorim, de 31 anos, 1,91m, emprestado pelo mineiro Tombense. Após o escanteio de Gabriel Pec, Ricardo desviou de cabeça e Daniel Amorim completou, também de cabeça, emocionando-se ao marcar o primeiro gol com uma das camisas históricas do futebol brasileiro, e resumiu: “Estou feliz e certo de que outras vitórias virão”.

A GRANDE VIRADA – O Vasco virou aos 38 minutos, após cruzamento sob medida de Marquinhos Gabriel, concluído de cabeça por Morato, apelido de Andrew Eric Feitosa, de 28 anos, por ter nascido em Francisco Morato, na região metropolitana de São Paulo. Três vezes campeão do interior, mineiro em 2014 no Boa Esporte; paulista em 2017 no Ituano e em 2020 no Bragantino, também campeão brasileiro da Série B em 2019, ficará no Vasco até dezembro de 2021.

4 x 2 NO FLAMENGO – Poucos sabem e alguns talvez se lembrem: o canto da torcida “O Vasco é o time da virada, o Vasco é o time do amor” foi entoado pela primeira vez no domingo, 9 de setembro de 1979, com 67.978 pagantes no Maracanã, quando o Vasco venceu o Flamengo por 4 x 2, na sexta rodada do Carioca. Claudio Adão 1 x 0, Dinamite 1 x 1. No segundo tempo, Zico 2 x 1, Nelson (contra) 2 x 2 e Dinamite 3 x 2 e 4 x 2. Um delírio no maior estádio do mundo!

TIME DA VIRADA – Leão, Orlando, Gaúcho, Ivan e Marco Antonio; Dudu, Xaxá e Afrânio; Paulinho (Paulo Cesar), Dinamite e Lito (Catinha). Técnico – Oto Glória. Foi no ritmo do samba-enredo “A criação do mundo na tradição nagô”, sucesso da Beija-flor no Carnaval de 1978, que a torcida do Vasco criou o tom de time da virada e time do amor. Bom dizer: o Vasco foi um dos quatro a vencer o Flamengo no Carioca de 79, além do Fluminense (3 x 0) e do Americano e Botafogo (1 x 0).

VIRADA HISTÓRICA – Entre as muitas e marcantes viradas históricas do Vasco, a da final da Copa Mercosul de 2000, no antigo estádio Palestra Itália, onde o Palmeiras fez 3 x 0 no primeiro tempo com Arce, Magrão e Tuta, e o Vasco fez 4 x 3, com Juninho Paulista e três de Romário, o da virada, aos 48 do segundo tempo. Helton, Clebson, Odvan, Jr.Baiano e Jorginho Paulista; Nasa (Viola), Jorginho (Paulo Miranda), Juninho Pernambucano e Juninho Paulista; Euler (Mauro Galvão) e Romário, capitão e artilheiro da equipe dirigida por Joel Santana.

VANDERLEI, Michel (Riquelme), Ernando, Ricardo e Leo Matos; Matias (Juninho), Rômulo e Marquinhos Gabriel; Leo Jabá (Daniel Amorim), Gabriel Pec (Morato) e Cano (Andrey) – o time da virada no Brasil de Pelotas, dedicada ao ex-técnico Antonio Lopes, que ontem (12) comemorou 80 anos. Campeão carioca 82, 98 e 2003; brasileiro 97, Libertadores 98 e coordenador técnico da seleção brasileira, campeã do mundo em 2002, Lopes é um nome na história do Vasco.

NADA DE VITÓRIA – Três rodadas já se passaram, e nada de vitória do lanterna Cruzeiro, que só conseguiu o primeiro ponto aos 48 do segundo tempo, com o gol de Marcinho no 1 x 1 com o Goiás, na noite de ontem (12), no Mineirão, depois de perder para o Confiança (3 x 1) e CRB (4 x 3). Foi a estreia do técnico paranaense Mozart Santos, após a demissão do friburguense Felipe Conceição, depois da eliminação na Copa do Brasil para a Juazeirense, da Bahia. 

GANHOU A PRIMEIRA – Depois de 1 x 1 com Botafogo e Avaí, o Vila Nova, de Goiânia, ganhou ontem (12) a primeira: 1 x 0 no CSA, gol do meia Dudu, no estádio Aníbal de Toledo, em Aparecida de Goiânia, a 20 km da capital. ÚNICO com 100% de aproveitamento, o Náutico lidera com 9 pontos. HOJE (13), o Botafogo, com 4 pontos, poderá voltar ao G4, se vencer o Remo, de Belém, no estádio Nilton Santos. NA SÉRIE B, até a noite de ontem (12), 26 jogos, 51 gols.

Foto: Futebol Interior