Depois de tudo o que se viu no último domingo (13), no Parque dos Príncipes, o principal estádio de Paris, durante e depois da derrota (1 x 0) do PSG para o Olympique Marselha, a punição prevista de 10 jogos de suspensão para Neymar, por dedo na cara e tapa na cabeça do zagueiro espanhol Alvaro, ficou de bom tamanho, pelo menos para o atacante, punido só com dois jogos pela Comissão Disciplinar da Liga Francesa de Futebol Profissional, que promete continuar investigando as cenas.

NEYMAR voltou nesta quarta (16) ao Parque dos Principes, apenas como assistente do jogo atrasado da rodada de abertura, em que o PSG só obteve a primeira vitória, 1 x 0 sobre o Metz, nos acréscimos do segundo tempo, com o gol do meia alemão Julian Draxler, de 26 anos, aos 47, antecipando-se ao goleiro franco-argelino Oukidja, após cruzamento de Ángel Di Maria. Caso se envolva em outro problema disciplinar, nos próximos 10 jogos, mesmo sem ser expulso, Neymar será suspenso por mais um jogo, de acordo com a decisão do julgamento.

SEIS JOGOS – A punição mais dura, após o relato do árbitro na súmula de PSG 0 x 1 Olympique, foi aplicada aos laterais franceses Layvin Kurzawa, do PSG, suspenso por seis jogos, e Jordan Amavi, do Olympique, suspenso por três jogos. Os argentinos Leandro Paredes, volante do PSG, e Dario Benedetto, meia do Olympique, foram suspensos por dois jogos e um jogo. Sebastian Deneux, presidente da Comissão Disciplinar, informou que Di Maria está sendo investigado pela possível cusparada no zagueiro Alvaro.

SEQUÊNCIA – Diante de punições consideradas brandas pelos observadores e dos protestos em frente à sede do julgamento, o presidente Noel Le Graet, de 78 anos, da Federação Francesa de Futebol, disse que “não existe racismo no futebol e que os casos de indisciplina do último domingo (13) no Parque dos Principes não terminaram com o julgamento porque terão sequência mais rígida e tudo o que foi registrado será punido com muito mais rigor”.

Foto: Forbes Brasil