Se o Flamengo terá dificuldade para a permanência de Gabriel, é quase impossível  manter Jorge Jesus. O técnico está até mais supervalorizado que o atacante. Os dois, pelo que já fizeram na temporada, nem precisam mais do Mundial de clubes. A Libertadores e o Brasileirão, em um fim de semana histórico e inesquecível, são suficientes.

JORGE JESUS, atestam os dirigentes que convivem com ele quase as 24 horas do dia, tem sido de uma correção exemplar e de um profissionalismo extraordinário. Organizado, detalhista, exigente, tenta se aproximar o máximo que pode da perfeição. Não à toa, os resultados estão bem claros diante de todos que acompanham e exaltam o trabalho. 

O FUTEBOL, quando dirigido com equilíbrio e inteligência, passou a ser uma das fontes mais rentáveis da economia mundial. Ficou distante o tempo em que os amadores cuidavam do futebol dos clubes. Hoje não bastam os profissionais. É preciso que sejam profissionais bem preparados, de alto nível e qualidade técnica, e não só em campo.

COTAÇÃO – A Libertadores, depois de 38 anos, e o Brasileirão, após 10 anos, elevaram a níveis muito acima da média a cotação do técnico e do atacante. Quem diz que Gabriel decepcionou na Europa, não são os analistas, são os apagados números dele na Inter de Milão – 1 gol em 10 jogos – e no Benfica – 1 gol em 5 jogos -, de onde pouco saiu da reserva.

JORGE JESUS, depois dos três títulos no Benfica e de passagem sem brilho pelo Sporting, estava fora do futebol português, onde não foi cogitado, em tempo algum, para dirigir a seleção. Antes que o Flamengo o trouxesse, em 2019, não havia clube interessado em contratá-lo, desde que foi demitido do Al-Hilal, após a única temporada em 2018.

NÃO É VERDADE que Jorge Jesus esteja a despertar interesse em clubes da Inglaterra, Espanha e França. Tudo não passa de jogada de marketing de seus agentes, na esteira dos títulos que acaba de ganhar com todos os méritos de um trabalho que só merece aplausos. Além disso, claro, o de uma pressão no Flamengo para um novo contrato mais vantajoso.