O Real Madrid manteve a liderança do Campeonato Espanhol, com 12 pontos em sete rodadas, e o técnico Zidane, a escrita de invencibilidade no Camp Nou, igualando-se a José Mourinho em cinco vitórias no estádio do Barcelona, na tarde deste sábado (24), pela sétima rodada. O atacante Ansu Fati tornou-se o primeiro da história do clássico a marcar um gol antes de 18 anos, que completará no próximo sábado (31), ao empatar aos 8 do primeiro tempo, três minutos após Valverde fazer 1 x 0.

BEM POLÊMICO – Como a maioria dos clássicos Barcelona x Real Madrid, desde o primeiro, em 13 de maio de 1902, pela Copa do Rei da Espanha (Barcelona 3 x 1), bem polêmico e, quase sempre, com as reclamações recaindo sobre o árbitro. Neste sábado (24), Juan Martinez Munuera, de 38 anos, na FIFA desde 2015, foi o alvo do Barcelona, ao marcar o pênalti de Lenglet em Sergio Ramos, que colocou o Real Madrid em vantagem (2 x 1), em excelente cobrança, aos 18 do segundo tempo.

AS REAÇÕES – Ronald Koeman, holandês de 57 anos, zagueiro de 87 gols em 264 jogos pelo Barcelona (89 a 95), de volta como técnico em 2020, resumiu: “O VAR só funciona quando é contra o Barcelona”. Zidane, francês de 48 anos, meia de 59 gols em 244 jogos pelo Real Madrid (2001 a 2006), e único técnico tricampeão da Liga dos Campeões (2016-17-18), disse: “Não falo de arbitragem. Só quero dizer que sinto orgulho de comandar o time com mais títulos na Espanha e em toda a Europa”.

CLÁSSICO 245 – Barcelona e Real Madrid foi o jogo 245 da história do maior clássico da Espanha e que a maioria dos observadores considera o mais importante do mundo. O Real Madrid venceu 98 e marcou 410 gols, e o Barcelona ganhou 95 e fez 398 gols, registrando-se 52 empates. Nos 3 x 1 deste sábado (24), o Barcelona acertou 526 passes, mais 55 que o Real Madrid (471), que deu mais cinco chutes certos na direção do gol (9 a 4). Das 24 faltas, o Real Madrid cometeu 14.

INTENSO – O clássico começou em ritmo intenso com dois gols em três minutos. O uruguaio Valverde fez 1 x 0 para o Real Madrid aos 5, com chute muito forte, após boa assistência do francês Benzema, e o africano Ansu Fati empatou aos 8, após cruzamento preciso do lateral espanhol Jordi Alba. No segundo tempo, o zagueiro francês Lenglet puxou Sergio Ramos pela camisa e o zagueiro espanhol converteu o pênalti aos 18. O volante croata Luka Modric fez 3 x 1 aos 45, com chute forte.

OS LÍDERES – Courtois, Nacho (Lucas Vazquez), Varane, Sergio Ramos e Mendy; Valverde (Modric), Casemiro e Kroos; Asensio (Rodrygo), Benzema e Vinícius JuniorO Real Madrid lidera com 13 pontos em 7 rodadas – 4 vitórias, 1 empate, 1 derrota, saldo de cinco gols (9 a 4) – e o próximo jogo é sábado (31) com o Huesca. A vitória aliviou a pressão sobre o técnico Zidane, após duas derrotas consecutivas, em casa, para o Cadiz (1 x 0), pelo campeonato, e para o Shahktar, da Ucrânia (3 x 2), pela Champions.

DÉCIMO SEGUNDO – Neto, Sergiño Dest, Piqué, Lenglet e Jordi Alba (Braithwaite); Busquet, Dembélé e De Jong (Rincão); Messi, Ansu Fati (Griezmann) e Philippe Coutinho. O Barcelona é décimo segundo com 7 pontos em 7 rodadas – 2 vitórias, 2 derrotas, 1 empate, saldo de quatro gols (9 a 5) – e será visitante no próximo jogo, sábado (31), com o Alavés. Foi o jogo com o Real Madrid, em que sofreu mais gols em casa, depois de 40 anos, após 2 x 0 (Hernandez e Santillana), no domingo, 10 de fevereiro de 1980.

BRASILEIROS – Um dia depois de voltar a ser convocado para os jogos de novembro da seleção nas eliminatórias, Vinícius Junior, ex-Flamengo, participou do jogo inteiro, com atuação discreta. Rodrygo, ex-Santos, no mesmo nível, foi substituído pelo espanhol Asensio. Casemiro, sempre mais eficiente na criação, único advertido com cartão amarelo. No Barcelona, o goleiro Neto, sem culpa nos gols, e Philippe Coutinho não repetiu o brilho de outros jogos.

ARBITRAGEM – Apesar da crítica dura do Barcelona, Juan Martinez Munuera, de 38 anos, natural de Benidorm, cidade turistica à beira-mar, na província de Alicante, teve boa arbitragem e foi correto na marcação do pênalti, após Lenglet puxar Sergio Ramos pela camisa, e aplicou bem os cartões amarelos em Lenglet, Jordi Alba e Messi, e em Casemiro e Nacho. Munuera é árbitro da Série A desde 2013, após 64 jogos em três temporadas na Série B. Estreou na FIFA em 2018, na final do Europeu de seleções sub-19, na Finlândia, Portugal 4 x 3 Itália.