O Real Madrid embolou o Campeonato Espanhol ao vencer (2 x 1) o Barcelona, na noite deste sábado (10), com o primeiro gol, de letra, de Benzema, e só não terminará a trigésima rodada na liderança, se o Atletico de Madrid, também com 66 pontos, ganhar neste domingo (11) do Betis, em Sevilha. O Barcelona caiu para o terceiro lugar, com 65 pontos, mas ainda tem confronto direto, em casa, com o Atletico de Madrid. O meia Casemiro, titular da seleção brasileira, foi expulso quase no final.

GOL DE LETRA – O Real Madrid fez 1 x 0 aos 14 minutos, em jogada do francês Benzema, completando de letra, o cruzamento do lateral Lucas Vazquez. O meia alemão Kroos, que ganhou o prêmio de melhor do jogo, fez 2 x 0 aos 22 minutos, cobrando falta de Araújo em Vinícius, e quase marcou o terceiro gol, aos 34, com chute forte na trave direita. No último lance do primeiro tempo, Messi quase fez seu primeiro gol olímpico, aos 46 minutos. A bola ganhou efeito, tocou na trave direita, e saiu.

CHUVA FORTE – Todo o segundo tempo sob chuva forte no estádio Di Stefano, onde o clássico se realizou pela primeira vez, e Messi aproveitou a parada, a fim de que pudesse ser resolvido problema no fone do árbitro, para trocar a camisa encharcada. O gol do Barcelona, aos 15 minutos, foi do zagueiro Mingueza, de canela, na pequena área, após cruzamento do lateral Jordi Alba, com Griezmann e Messi fazendo o corta-luz. O Real Madrid redobrou a marcação e passou a sair só em contra-ataques.

EXPULSÃO – O árbitro Mateu Lahoz, de 44 anos, sofreu estiramento muscular no treino da véspera, e foi substituído por Jesus Gil Manzano, de 37 anos, que expulsou o meia Casemiro, titular da seleção brasileira, aos 44 do segundo tempo, após o segundo cartão amarelo, por falta no meia Moriba, que quase empatou no último lance, acertando o travessão aos 49 minutos. Modric e Nacho foram os outros advertidos do Real Madrid, e os do Barcelona, Pedri, Araújo e Jordi Alba.

INTERPELAÇÃO – O zagueiro Piqué, recuperando-se de contusão, entrou em campo para interpelar o árbitro pela não marcação do pênalti do lateral francês Mendy, que empurrou o atacante Braithwaite, nos acréscimos. Messi também reclamou, e é bom lembrar: em 23 de setembro de 2018, após Barcelona 2 x 2 Girona, no Camp Nou, o capitão do Barcelona se recusou a apertar a mão do mesmo árbitro. Jesus Gil Manzano é um árbitro que se envolve em muitas polêmicas no Campeonato Espanhol.

REAL MADRID – Courtois, Lucas Vazquez (Odriozola), Éder Militão, Nacho e Mendy; Modric, Casemiro e Kroos (Isco); Valverde (Asensio), Benzema (Mariano Diaz) e Vinícius Jr (Marcelo). Faltando oito rodadas, o Real Madrid assumiu a liderança provisória com 66 pontos – 20 vitórias, 6 empates, 4 derrotas -, com saldo de 29 gols (53 a 24), e sem ter mais clássico a disputar. O técnico Zidane elogiou a atuação tática do time: “Ficou a impressão que recuamos muito, mas soubemos defender e atacar bem”.

BARCELONA – Ter Stegen, Mingueza, Araújo (Moriba) e Lenglet; Dest (Griezmann), De Jong, Busquets (Sergi Roberto), Pedri (Trincão) e Jordi Alba; Messi e Dembélé (Braithwaite). O Barcelona está em terceiro com 65 pontos – 20 vitórias, 5 empates, 5 derrotas -, com saldo de 43 gols (69 a 26), e o técnico holandês Ronald Koeman, irritado pela não marcação do pênalti no final, resumiu: “Ganhar do Real Madrid já é difícil; ganhar do Real Madrid, e do árbitro, mais difícil ainda”.

HISTÓRICO – Real Madrid e Barcelona fizeram o primeiro jogo no estádio Di Stefano, na Cidade Esportiva do Real Madrid, em Valdebebas, município a 21 km da capital. Só para treinos e jogos secundários, o nome do estádio é homenagem ao argentino Alfredo Di Stefano – 1926 – 2014 -, maior jogador da história de 119 anos do clube, entre 1953 e 1964 -, com 227 gols em 329 jogos, cinco vezes artilheiro e oito vezes campeão espanhol, e vencedor das cinco primeiras Ligas dos Campeões da Europa. O estádio Santiago Bernabeu, em Madrid, está sendo reformado e será reaberto em agosto para a temporada 2021-2022. 

ARTILHEIROS – Mesmo sem fazer gol, Messi continua artilheiro do campeonato 2020-2021, com 23 gols, e como maior artilheiro do clássico, com 26, mais 8 gols que Di Stefano e Cristiano Ronaldo (18). Benzema, vice-artilheiro do campeonato com 19, tornou-se o quarto do Real Madrid a fazer gol em sete jogos consecutivos ou mais, depois do holandês Van Nistelrooy (2007), Cristiano Ronaldo (quatro vezes) e o irlandês Gareth Bale (2018).

FIM DO JEJUM – Benzema não havia feito gol nos nove jogos anteriores com o Barcelona, que era o mais longo jejum sem marcar gol no mesmo adversário, desde a estreia, em 20 de julho de 2009. Em contrapartida, com o gol de letra, tornou-se quarto artilheiro do Real Madrid, com 296 gols; o décimo primeiro de La Liga, como os espanhóis tratam seu campeonato, com 188 gols, e chegou aos 10 gols em 40 jogos com o Barcelona, igualando-se ao mexicano Hugo Sanchez, dos anos 80/90.

RECORDISTAS –  Messi, capitão do Barcelona, igualou-se a Sergio Ramos, capitão do Real Madrid, como os que mais disputaram o maior clássico do mundo: 45 vezes. Sergio Ramos não jogou por estar contundido, mas esteve no estádio, usando máscara preta, cor da segunda camisa do Real Madrid, que jogou com seu uniforme original, todo branco. Bom dizer: pela primeira vez, desde que foi comprado do Sevilha, em 2005, Sergio Ramos, de 35 anos, ficou fora do clássico, depois de participar de 31.

PORTA DOS FUNDOS – O diário esportivo Marca, dos mais lidos da Espanha, foi duro na crítica a Messi após a derrota: “Se é verdade que foi seu último clássico, Messi o disputou da pior maneira e está saindo pela porta dos fundos, depois de tanto brilhar em dezessete temporadas”. Já o diário Sport, de Barcelona, escreveu: “Uma derrota ruim, no pior momento e para o pior adversário”. Esse jornal trata sempre o Real Madrid com indiferença e desprezo.

43 ANOS DEPOIS – O Real Madrid quebrou um tabu de 43 anos: desde 1978 não conseguia vencer o Barcelona em três jogos consecutivos, e outra quebra com menos tempo: o Real Madrid só havia ganhado do Barcelona, em turno e returno, no campeonato de 2007-2008. O goleiro Courtois, belga de 28 anos, 1,99m, canhoto, quarto do campeonato com mais percentual de defesas (74,2%), desde 2018 no Real Madrid, também comemora: completou cinco jogos sem sofrer gol de Messi.

MAIS NÚMEROS – O Real Madrid ganhou 82% dos jogos que começou vencendo (18 de 22). Outros números da estatistica do Real Madrid foram confirmados: 15, de seus 53 gols, foram marcados no primeiro tempo. O Barcelona não conseguiu a décima vitória consecutiva, pela terceira vez, como visitante, na mesma temporada, como em janeiro de 2011 com o técnico Guardiola, e em janeiro de 2013 com Tito Vilanova e Jordi Roura, que o substituiu ao contrair câncer.

O PRIMEIRO – O técnico holandês Ronald Koeman foi o primeiro do Barcelona a perder turno e returno para o Real Madrid, depois de Joaquim Rifé, que fez 548 jogos como zagueiro e capitão do time na temporada 1979-1980. Por coincidência, Koeman também foi zagueiro do Barcelona, entre 89 e 95, e recordista mundial de gols de falta (60). Por último: Zidane conseguiu a sexta vitória em dez clássicos, em todas as competições, superando Mourinho, que havia conseguido cinco.

MINUTO DE SILÊNCIO – Com os jogadores em volta do grande círculo do estádio Alfredo Di Stefano, Real Madrid eBarcelona respeitaram um minuto de silêncio pela memória do principe Philip, da Inglaterra, que morreu aos 99 anosna sexta-feira (9), véspera do jogo.

Foto: Site Oficial do Real Madrid | Barca Blaugranes | Goal | Facebook Barcelona