No mata-mata dos finalistas de 2020, em que o PSG perdeu para o Bayern, o campeão francês eliminou ontem (13) o campeão alemão, mesmo perdendo (1 x 0) no suntuoso Parque dos Principes, em Paris, por ter feito mais gols como visitante, na vitória (3 x 2) no jogo de ida, na Arena Allianz, em Munique. Neymar deu um recital, com atuação notável, acertou três bolas na trave, obrigou o goleiro Neuer a duas defesas excepcionais e ganhou o prêmio de melhor do jogo.

ORGULHOSO – “Vencemos Manchester United, Barcelona e acabamos de eliminar o Bayern. Estou orgulhoso da minha equipe” – disse Nasser Al-Khelaif, de 47 anos, presidente do PSG e diretor-executivo do Fundo de Investimento do Catar, que pagou a multa rescisória de 220 milhões de euros (quase 900 milhões de reais) para tirar Neymar do Barcelona, em agosto de 2017. Ele aproveitou para dizer: “Neymar e Mbappé não têm nenhum motivo para querer sair do PSG. E não sairão”. 

GOL DO EX – O único gol da noite de ontem (13), no Parque dos Principes, em Paris, foi marcado aos 40 do primeiro tempo pelo atacante Eric Choupo-Moting, de 32 anos, 1,95m, natural de Hamburgo, cidade portuária alemã, mas com nacionalidade camaronesa. Ele subiu bem para cabecear fora do alcance de Keylor Navas, após a rebatida com o pé do goleiro costa-riquenho. Moting foi bicampeão francês no PSG em 2019 e campeão da Liga dos Campeões em 2020 pelo Bayern.

NA TRAVE – Em seis minutos, Neymar acertou a trave três vezes. Aos 34, depois de grande defesa do goleiro alemão Manuel Neuer, de 35 anos, 1,93m, a bola ainda bateu na trave, antes de sair a escanteio. Aos 37, o chute forte de Neymar explodiu no travessão e o goleiro se limitou a olhar, e aos 40, Neymar acertou de novo a trave, sem que o goleiro chegasse a tempo de evitar. Neymar, vale repetir, teve atuação destacada e só não fez gol, mas ganhou o prêmio de melhor do jogo.

SEMIFINAL – O PSG disputará a semifinal pela terceira vez, segunda consecutiva, e o adversário será conhecido hoje (14), na Alemanha, onde o Manchester City terá a vantagem do empate por ter vencido (2 x 1) o Borussia Dortmund na Inglaterra. O jogo será no Iduna Park, em Dortmund, com arbitragem de Carlos del Cerro Grande, espanhol de 45 anos, na FIFA desde 2013.

NO MUSEU – “Um dos melhores jogos da história recente da Liga dos Campeões” – resumiu o tabloide diário Le Parisien, dos mais lidos na França, acrescentando: “Foi um jogo que merece figurar na galeria das obras de arte do Louvre” – referindo-se ao museu mais famoso do mundo, na região central de Paris, às margens do rio Sena, visitado anualmente por 10 milhões de turistas de todos os continentes. O jornal deu a merecida ênfase à atuação de Neymar, que negou ter debochado de Kimmich.

EQUILÍBRIO – O Bayern foi superior no primeiro tempo, com 64% de posse de bola, 12 dos 31 chutes na direção do gol e 44 cruzamentos, mas o PSG equilibrou na volta do intervalo. O árbitro Daniele Orsato, de 45 anos, italiano de Vicenza, na FIFA desde 2004, teve atuação segura, marcando 31 faltas (10 do PSG) e aplicando cartões amarelos no lateral Dagba e no volante Herrera, do PSG, e no zagueiro Alaba e no atacante Thomas Muller. 

DEMISSÃO – O presidente Carsten Schmidt, de 57 anos, do Hertha Berlin, décimo quinto entre os dezoito do Campeonato Alemão, demitiu o húngaro Zsolt Petry, de 54 anos, treinador de goleiros desde 2015, por ter dito em entrevista ao jornal Magyar Nemzet, de Budapeste, que “a política migratória da União Europeia é uma ruína moral”. Goleiro do ano de 1990 na Hungria, Petry também criticou o atual goleiro da seleção Peter Gulácsi por apoiar publicamente o casamento de pessoas do mesmo sexo.

Foto: Twitter