Escolha uma Página

OS MINUTOS DE ACRÉSCIMOS têm sido muito comentados não só pelos torcedores, mas pelos observadores da Copa do Mundo de 2022. Até esta 6ª feira (25), quando quatro jogos abriram a segunda rodada da fase de grupos, 20 jogos foram realizados e a média de acréscimos é de 14 minutos por jogo.

O ÁRBITRO BRASILEIRO Raphael Claus, paulista de 43 anos, estreante em Copa, foi o que mais tempo acrescentou a um jogo: 29 minutos, sendo 14 pelo atendimento ao goleiro Alireza Beiranvand, de 30 anos, que sofreu concussão na derrota do Irã para a Inglaterra por 6 x 2. Nos 16 jogos da 1ª rodada, 226 minutos de acréscimos.

NA VIRADA DA ARÁBIA SAUDITA sobre a Argentina por 2 x 1, o tempo de jogo foi de 111 minutos. Além de um minuto de acréscimo em cada substituição, a Fifa decidiu que o tempo de acréscimo pela consulta ao VAR, que pode intervir não só nos lances de gol, mas também de agressão, não pode ser limitado.

A COMEMORAÇÃO DO GOL também está sendo incluída no tempo de acréscimo do jogo. O quinto árbitro foi orientado pelo ex-árbitro Pierluigui Collina, presidente da comissão de arbitragem da Fifa, a parar o cronômetro, após a bola ir às redes, e só voltar a ligar no momento em que for dada a nova saída.

PRESIDENTE da comissão de arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol, de maio de 2019 a novembro de 2021, o ex-árbitro gaúcho Leonardo Gaciba, contratado pelos canais ESPN, fez uma observação durante o programa SportCenter: “A Fifa esqueceu de incluir a cera no tempo de acréscimo. Alguns jogadores excedem”.

Foto: UOL