Escolha uma Página

Um dia depois de a Organização Mundial da Saúde avisar que “o pior da pandemia do coronavírus está por vir, nas Américas Central e do Sul, com o Brasil em situação que se agrava”, outro aviso aos irresponsáveis, que continuam tentando a volta imediata do futebol, foi dado no boletim da noite de ontem (3) do Ministério da Saúde. O recorde das últimas 24 horas no Brasil foi de 1.349 mortes e o recorde no Rio de Janeiro foi de 324 mortes. O país registra 584 mil infectados e 32.548 mortes.

OPORTUNA – O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro entrou ontem (3) com nova e oportuna ação para impedir a flexibilização na capital, conforme determinou o prefeito, que quer-porque-quer, pressionado pelo presidente da República, atender o Flamengo, autor intelectual da iniciativa, e o Vasco, que pegou carona, para a volta imediata do futebol, como se nada de anormal estivesse acontecendo. É preciso ter pouca vergonha na cara para votar de novo nesse prefeito.

COMPLICADO – Os funcionários que o Flamengo demitiu em 30 de abril, alegando contenção de despesa, continuam sem receber o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O clube orientou que o depósito seria feito na última semana de maio, mas até ontem (3 de junho), os funcionários da agência bancária, onde estiveram para efetuar o saque, informaram que o dinheiro não havia sido liberado pelo clube. O Flamengo tem acerto pendente com Santos, Athletico e Sport, de pagamentos em atraso.

PROTESTOS – Milhares de torcedores usaram as redes sociais para protestar contra a mensagem que o Flamengo enviou ontem (3) ao Liverpool, parabenizando o clube inglês pelo aniversário de 128 anos. Com razão, ficaram irritados porque o Liverpool impediu que o Flamengo comemorasse todos os títulos de 2019, ao vencer o campeão carioca, brasileiro e sul-americano na decisão do Mundial de clubes no Catar. Para os torcedores, “decepção e bola fora da diretoria do Flamengo”.

NÃO HÁ COMO, ainda dentro da linha de protestos, deixar de registrar que há 52 anos os Estados Unidos não viam a maior onda de protestos antirracistas, desde a morte de Martin Luther King Jr. – 15/1/1929 – 4/4/1968 -,pastor protestante batista e ativista político nascido em Atlanta, capital do estado da Georgia e assassinado em Memphis, segunda maior cidade do estado do Tennesse. Foi o maior líder do movimento dos direitos civis nos Estados Unidos, de 1955 até ser assassinado em 1968.

AS FRASES – Frontalmente contrário aos preconceitos racistas, que só partem de pessoas despreparadas e pobres de espírito, gostaria de citar três das muitas frases de Martin Luther King Jr.  1 – “A escuridão não pode expulsar a escuridão; apenas a luz pode fazer isso. O ódio não pode expulsar o ódio; só o amor pode fazer isso”.  2 – “A injustiça, em qualquer lugar, é uma ameaça à justiça em todo lugar”. 3 – “A greve é a linguagem dos que não são ouvidos”.  Martin Luther Jr. ganhou o prêmio Nobel da Paz, em 14 de outubro de 1964, pelo combate ao racismo nos Estados Unidos, através da resistência não-violenta.